26/02/2013

Promoção: Garota Tempestade

Quem quer ganhar o livro que está entre os mais comentados atualmente na blogosfera literária? Essa é a sua chance de ganhar!
A editora Valentina gentilmente cedeu um exemplar para sorteio e espero que vocês gostem. :)
Boa sorte para todos e cruzem os dedos para que essa seja a sua vez!



23/02/2013

Resenha: Belo Desastre

Título: Belo Desastre
Autora: Jamie McGuire
Editora: Verus
Páginas: 389
Abby Abernathy é uma boa garota. Ela não bebe nem fala palavrão, e tem a quantidade apropriada de cardigãs no guarda-roupa. Abby acredita que seu passado sombrio está bem distante, mas, quando se muda para uma nova cidade com America, sua melhor amiga, para cursar a faculdade, seu recomeço é rapidamente ameaçado pelo bad boy da universidade. Travis Maddox, com seu abdômen definido e seus braços tatuados, é exatamente o que Abby precisa – e deseja – evitar. Ele passa as noites ganhando dinheiro em um clube da luta e os dias seduzindo as garotas da faculdade. Intrigado com a resistência de Abby ao seu charme, Travis a atrai com uma aposta. Se ele perder, terá que ficar sem sexo por um mês. Se ela perder, deverá morar no apartamento dele pelo mesmo período. Qualquer que seja o resultado da aposta, Travis nem imagina que finalmente encontrou uma adversária à altura. E é então que eles se envolvem em uma relação intensa e conturbada, que pode acabar levando-os à loucura.

Não resisti. Juro que tentei esperar mais algum tempo para que a euforia em torno de Belo Desastre ficasse um pouco menor e assim minha opinião não ser influenciada por nada que ainda estão dizendo por aí. Só que eu dei um azar – ou seria sorte? – de ter começado a lê-lo justamente na semana daquela confusão em que a autora anunciou que viria para o Brasil e depois disse que não viria mais... Enfim, o que importa é que minha tentativa de fugir do alvoroço falhou, mas, felizmente, isso não foi algo ruim.

A vida de Abby é muito comum. Ela é uma garota comportada, que só quer saber de estudar e mudar sua vida. Tudo vira ao avesso quando ela conhece Travis Maddox, um dos garotos mais cobiçados da faculdade. Depois de ficar com tantas garotas, ele acaba se apaixonando justo por ela. É aí que os dois começam uma relação intensa, que deixa todos torcendo, suspirando e até mesmo com aquela raivinha dos dois serem tão cabeça dura.

- Dormir entre a privada e a banheira no chão frio com uma imbecil vomitando foi uma de suas melhores noites? Isso é triste, Trav.
- Não, te fazer companhia quando você estava mal e ter você dormindo no meu colo foi uma das minhas melhores noites. Não foi confortável, não dormi merda nenhuma, mas passei seu aniversário de dezenove anos com você. E você é bem meiga quando está bêbada.
- Tenho certeza que eu estava muito charmosa vomitando. (...)
- Você é a única mulher que conheço que continua linda mesmo com a cabeça dentro da privada. Acho que isso diz algo sobre você. p. 146
Um dos meus grandes receios com relação a esse livro foi que vi não só uma, mas diversas pessoas de quem eu respeito muito a opinião dizendo que ele era ou 8 ou 80. Daqueles que não existem um meio termo. Você ama ou odeia. E sinceramente? Eu não estava interessada em ler algo que me deixasse com aquela ressaca, porque esse ano já está sendo bem complicado nesse sentido (tenho lido alguns livros bem fortes e isso tem reduzido muito a frequência com a qual eu leio). Então pegar Belo Desastre foi um risco e tanto.

Porém, quando comecei a ler, tive aquela surpresa: eu fazia parte das pessoas que amavam esse livro. Para vocês terem ideia, eu peguei só para ler o começo em uma noite – uma das minhas muitas manias – e quando vi já tinha passado da metade. E só parei porque eu tinha que acordar cedo no outro dia, se não, teria continuado fácil, até porque é uma leitura que flui tanto que você não percebe o quanto já leu até acidentalmente olhar para a página que está.

A narrativa fácil colabora muito para que isso aconteça. Narrado pela própria Abby, ela é bem tranquila e sem devaneios muito bobos (não estou mais aguentando personagens que fiquem pensando bobagens demais). É claro que o enredo é quase um clichê ambulante – o garoto bad boy e que todas querem se apaixona pela única menina que não o quer, que calha de ser justamente a mais normal e sem sal de todas –, e eu digo quase porque em Belo Desastre, além de ter aquela pequena enrolação de “ai, eu não posso” também vemos outro lado, onde a relação é ao mesmo tempo tão desastrosa quando eles estão juntos e que pode ser devastadora se os dois estão separados. Ou seja, a autora conseguiu mostrar esse lado humano da relação, que eu tenho que admitir, foi o que me ganhou.

Mas vamos ao que interessa: Travis Maddox. Homens que estão lendo a resenha, acho melhor vocês pularem essa parte antes que vocês me matem pelo o que eu estou prestes a dizer. A verdade é: me apaixonei por Travis Maddox. Há um tempo eu não ficava desse jeito por causa de um personagem, tão boba e saltitando a cada vez que ele aparecia. Tudo bem que ele tem lá seus defeitos, mas quem não tem? Agora, sempre que alguém diz esse nome, eu fico suspirando. E pelo o que eu vi por aí, isso é bem normal de se acontecer, então nem estou preocupada.

Eu conhecia o sentimento de insegurança, de viver uma onda de azar atrás da outra, de homem que temem a própria sombra. Era fácil ter medo do lado negro de Las Vegas, o lado que o neon e o glitter nunca pareciam tocar. Travis Maddox, porém, não tinha medo de lutar, ou de defender alguém com quem ele se importasse, ou de olhar nos olhos humilhados e furiosos de uma mulher desprezada. Ele podia entrar numa sala, encarar alguém duas vezes maior que ele e mesmo assim acreditar que ninguém conseguiria encostar nele - que ele era invencível.
Ele não termia nada. Até me conhecer. p. 245
O que me leva a uma notícia maravilhosa: o livro tem uma continuação! Ta, não é exatamente uma continuação, mas sim a história de Belo Desastre narrada pelo Travis! Walking Disaster está previsto para ser lançado em abril nos EUA. E para aqueles que leram isso e ficaram desanimados, fiquem tranquilos: Belo Desastre tem um final muito definido e vocês não vão precisar ler esse próximo para entendê-lo, ok?

Eu não sei se muitos homens irão gostar desse livro, até porque é um daqueles em que deixa todas as meninas suspirando por um garoto. Talvez até valha dar uma chance pelo enredo, que por mais que não seja nada muito original e nem tenha grandes ensinamentos, é bem interessante na forma que aborda o relacionamento de Abby e Travis. Afinal, quem não gosta de ler um livro mais leve às vezes? Mas garotas, ah... Vocês estão perdendo tempo se ainda não conheceram Travis Maddox. Acreditem em mim, vocês VÃO querer conhecê-lo. 

20/02/2013

Promoção: A garota que perseguiu a lua

Olá leitores! Tem mais uma promoção pra vocês. :) É do livro A garota que perseguiu a lua, que, como vocês notaram na resenha, foi um livro que eu adorei! 
Então, participem muito e cruzem os dedos! Vai que agora é a sua vez? Boa sorte para todos. :D



17/02/2013

Resenha: Garota Tempestade

Título: Garota Tempestade
Autora: Nicole Peeler
Editora: Valentina
Páginas: 280
Mesmo tendo passado a vida inteira na pequena e conservadora cidade de Rockabill, Jane True, 26 anos, sempre soube que não se encaixava numa sociedade pretensamente normal. Durante um de seus clandestinos nados noturnos no mar congelante, desafiando um perigosíssimo redemoinho, uma descoberta terrível leva Jane a revelações surpreendentes sobre sua herança genética: ela é apenas meio-humana. Agora, Jane precisa penetrar um mundo de mitos e lendas, povoado por criaturas sobrenaturais, aterrorizantes, belas e até mortais. Características que também descrevem perfeitamente Ryu, seu novo “amigo” -- um vampiro poderoso, deslumbrante e hummm, aiii... muuuito SEXY. Nesse mundo, onde há um goblin advogado, um espírito de árvore maquiador, um súcubo dona de boutique, elfos diabólicos, homens inflamáveis, seres híbridos que se transformam em animais selvagens, nada é presumível. Que dirá um romance ao molho pardo. Mas atenção, nunca, nunca mesmo, esfregue a lâmpada do gênio. Entretanto, alguém está matando meio-humanos como Jane. A pergunta que não quer calar é: os assassinatos são fruto de uma mente doentia ou há um plano macabro para exterminá-los? Se você é fã de Sookie Stackhouse, meio-humanos, vampiros sedutores e criaturas sobrenaturais, então se prepare para mergulhar de cabeça nessa deliciosa série de urban fantasy. 

Eu ainda não sei bem o que dizer. Estou em conflito comigo mesma por causa de Garota Tempestade. Por um lado, eu gostei do livro por seu aspecto sobrenatural e isso me agrada muito como leitora. Por outro, achei que muitas escolhas da autora acabaram com o livro.

Jane True é uma mulher de 26 anos solitária. Sua mãe foi embora quando Jane ainda era uma criança e todos na cidade a culpam por algo que aconteceu no passado, e, por esse motivo, ela é excluída do convívio social. Só que sua vida vira ao avesso quando encontra o corpo de um homem na enseada onde costuma nadar e se vê envolvida na investigação da morte dele. Mas antes fosse só isso... Ela descobre que pertence a um mundo totalmente diferente do seu: um mundo sobrenatural. Entre mortes, descobertas e muita ação, há também lugar para um romance daqueles...

Eu saíra ilesa do Old Sow, mas havia alguém que não saíra.
Vi uma silhueta boiando na água, em meio ao redemoinho principal, como uma bóia salva-vidas aterrorizante. E soube, por uma experiência sofrida, que devia ser uma silhueta humana. Se pensei que havia sentido medo antes, simplesmente saí como o Papa-léguas rumo à beira da praia, assim que meu instinto de sobrevivência aflorou. Cada fibra do meu corpo me alertou para dar o fora daquela água e não olhar para o que quer que fosse que estivesse ali. p. 21
Acho que a primeira lição aqui é que você não deve julgar esse livro pela capa. Tudo bem que essa é a mesma arte da capa original, mas eu preferia que a editora tivesse mudado isso. Com a capa, comecei a ler achando que o livro seria muito mais focado no sobrenatural, sendo um livro mais inocente, por assim dizer. Só que não foi isso que eu encontrei. É uma história que envolve personagens muito mais adultos do que você pensa a primeira vista.

Quanto aos personagens, a autora pecou. Jane, por exemplo. Se eu não soubesse anteriormente pela sinopse que ela tinha 26 anos, iria acreditar facilmente que ela tinha 16. Suas atitudes não são condizentes com sua idade e, só para tentar disfarçar isso, Nicole Peeler utiliza sexo (exageradamente) para provar que Jane é uma mulher que pode tomar suas próprias decisões. Só que eu tenho que fazer uma pergunta: pra que tanto?! A palavra libido é a que mais aparece no livro e isso chega a ser enjoativo. Esse foi o único artifício que a autora encontrou para tentar sair da Jane de 16 anos e infelizmente acabou pecando pelo exagero.

Porém, parte sobrenatural é bem explorada e a autora conseguiu misturar diversos seres dentro do enredo. É claro que por alguns momentos eu fiquei perdida com tanta informação, pois são muitos seres e até que você se adapte aos termos e às diferenças, demora um pouco. Inclusive eu só comecei a pegar o fio da meada lá pelo final do livro. Não é um grande defeito, mas que pode deixar muitos leitores confusos por aí.

Mas é claro que o livro também tem partes positivas. Eu fiquei muito empolgada com o romance de Jane com Ryu – um vampiro sexy que ela conheceu durante as investigações – e estou animada com a possibilidade do desenvolvimento de um triângulo amoroso mais para frente, o que vai dar à trama um ar mais envolvente. Só que isso eu não posso contar muito. Vocês vão ter que ler para descobrir (haha).

A outra mão de Ryu tirava meus cabelos da face e roçava os dedos em minhas bochechas. Depois, começou a sustentar minha nunca, erguendo meu rosto em direção ao dele.Por um momento, imaginei se deveria resistir, se estaria agindo certo. Mas ele era divertido, bonito, muito diferente, sabia dos meus segredos e não ligava a mínima... Analisei seu rosto, procurando resposta para uma pergunta que eu nem sequer podia articular. p. 89
Tenho que levar em consideração que a autora é engraçadíssima. Ela faz comparações como ninguém e isso deixou a Jane muito irônica e não é segredo para ninguém que eu adoro personagens com essa característica. Me pegava rindo em algumas situações, o que deixou o livro mais leve nesse sentido.

Outra coisa que me encantou foi a diagramação. Quando eu abri o livro e me deparei com ela, tudo o que eu queria era sentar e lê-lo no mesmo instante. Estou literalmente apaixonada por ela.


Na imagem da esquerda, vemos o detalhe presente em todas as páginas do livro. Já na da direita, o início de cada capítulo.


Como leitora, eu gostei do que li e não vou deixar a série. Já tive provas o suficiente para saber que séries podem melhorar ao passar dos livros e com certeza Nicole Peeler tem algo promissor em mãos. Não é um livro que eu considere favorito, mas há algo nele que ainda me atrai. 
Para quem gosta da temática, é uma boa pedida. Mas já vá esperando por seus defeitos. 

13/02/2013

5 livros para curar a ressaca do Carnaval

Olá leitores! E aí, como foi o feriado de vocês? Aproveitaram para curtir a folia ou então viajaram e acabaram deixando os livros de lado? Então aqui vão algumas dicas de livros para vocês acabarem com essa ressaca literária! Mas se você só ficou quietinho lendo, vale pegar as dicas de livros também! :)


Romance, ação, seres sobrenaturais... Quem não gosta dessas temáticas? É melhor ainda quando elas estão reunidas em um só livro! Como se livrar de um vampiro apaixonado é um daqueles livros que você não dá absolutamente nada até que você o lê e fica extremamente encantado. Ok, mas aí vocês vão dizer: Estou extremamente cansado da temática de vampiros. Eu entendo. E também garanto: por mais que vocês estejam saturados, esse livro não vai decepcionar.
E garotas, cuidado: o Lucius é apaixonante!

Autora: Beth Fantaskey 
Páginas: 304
Editora: Arqueiro/Sextante



Depois de cair na folia, que tal conhecer a história de quatro mulheres que se entrelaçam por causa da ioga? Nada mais relaxante, não é mesmo?
Amigas da ioga, por mais redundante que seja o que eu vou dizer agora, me deu uma super vontade de praticar a tal famosa ioga. DE VERDADE! haha Eu acho que nenhum livro tinha me deixado com tanta vontade de fazer algo assim (pelo menos coisas possíveis, sempre quis ter poderes sobrenaturais, mas...). 
É um livro bem leve, mas que, ao contrário dos chick-lits clichês que vemos por aí, ele acaba te surpreendendo por todos os dramas pessoais de cada personagem. Super dica!

Autora: Rain Mitchel
Páginas:264  
Editora: Lua de Papel


07/02/2013

Resenha: A garota que perseguiu a lua

Título: A garota que perseguiu a lua
Autora: Sarah Addison Allen
Editora: Planeta
Páginas: 243
"Como você pode achar seu caminho? Seguindo as nuvens ou a lua?" Emily Benedict foi para Mullaby após a morte de sua mãe. Ao chegar à cidade e conhecer seu avô ela percebe que os mistérios do lugar nunca são resolvidos: eles são uma forma de vida. Existem quartos cujo papel de parede muda de acordo com o seu humor, luzes estranhas aparecem no quintal à noite e Julia Winterson, a vizinha, consegue cozinhar a esperança em forma de bolos. Emily percebe que sua mãe esteve envolvida no maior mistério da cidade, e conta com a ajuda de Julia para desvendá-lo. Em Mullaby nada é o que parece.

Eu estava com poucas expectativas para A Garota Que Perseguiu a Lua, mesmo que tenha lido resenhas que exaltavam o livro de todas as formas possíveis. Então comecei a ler sem esperar muito do enredo e quando vi já tinha lido mais da metade do livro, sem parar. Depois de um livro forte como Não conte para a mamãe, ler esse livro foi uma das minhas melhores escolhas.

Após a morte de sua mãe, Emily volta para Mullaby, onde vive seu único parente vivo: seu avô que mede quase três metros de altura e que é atração na cidade. Ao chegar, ela acaba descobrindo vários segredos que envolvem sua mãe. Os mistérios ao seu redor não param de aparecer e com a ajuda de Julia, dona de um restaurante local, ela tentará desvendá-los.

Algo súbito chamou sua atenção. Ela rapidamente seguiu até o parapeito. Pensou ter visto algo além da sacada, no quintal dos fundos com mato crescido.
Ali! Ali estava novamente. Era uma luz branca forte, um flash veloz, passando entre as árvores. Aos poucos, a luz foi apagando, voltando à escuridão do mato, até que sumiu completamente.
Bem-vinda a Mullaby, Carolina do Norte, pensou. Lar das luzes fantasmagóricas, dos gigantes e dos ladrões de joias. p. 13
Ao ler A Garota Que Perseguiu a Lua, parecia que eu estava lendo um conto. Com uma narrativa bem fluida, a autora conseguiu misturar romance e drama com muitas coisas do folclore da Carolina do Norte. Sarah Addison Allen deu um toque de magia que fez com que o livro tomasse um caminho totalmente diferente do que eu esperava nos primeiros capítulos.

Minha primeira impressão foi de que o livro era totalmente sobrenatural. Pensei que a autora iria explorar bem mais esse lado da trama e que acabaria se tornando uma leitura clichê e sem muitas novidades. Mas isso não aconteceu. Ele é todo baseado nas relações humanas dos personagens, que são extremamente complicadas. Esse toque de folclore só ameniza o drama que envolve o enredo.

Quanto aos personagens, não há um envolvimento maior com eles, até porque não há tempo para isso. É claro que você se comove com as histórias pessoais, mas por falar de tanta coisa em tão poucas páginas, não há espaço para algo maior.
Porém cada um deles toca de uma forma única, principalmente no que diz respeito as consequências de atos passados, que atingem até aqueles que não estão diretamente evolvidos com os acontecimentos. Com certeza a autora quis passar uma mensagem nas entrelinhas e atingiu esse objetivo.

Porém, no começo do livro, a narrativa é bem confusa. A autora usou a narrativa em terceira pessoa, para que isso desse certa liberdade para que ela pudesse mostrar a perspectiva de vários personagens. Só que, no começo, ela não consegue mostrar isso tão bem e acaba confundindo o leitor. Mas felizmente, após os capítulos iniciais, o enredo vai tomando um rumo melhor a narrativa acompanha o ritmo.

Ela rapidamente se virou e não pôde acreditar no que viu. Ela deu a volta completa, cambaleando ligeiramente.
O papel de parede não era mais de flores de lavanda.
Ele tinha mudado para pequenas borboletas de todas as cores imagináveis. p. 110
O desfecho é bem definido e te deixa com aquele gostinho de que o livro cumpriu seu dever. Não é um livro fantástico, mas com certeza não vai decepcionar ninguém que dê uma chance a ele.

A editora Planeta foi muito criativa na diagramação. Em cada começo de capítulo, as primeiras linhas são curvadas, dando um efeito muito bonito. Estranhei um pouco nos primeiros capítulos, mas é questão de costume. E nem preciso comentar sobre a capa, não é mesmo? É linda demais! Provavelmente muita gente comprou/comprará o livro só por causa dela.

Veja aqui a imagem da página inteira!

Até agora foi uma das minhas melhores leituras do ano. Com certeza indicado para quem está precisando de um livro bem leve, sem futilidades e que tocam diretamente em assuntos delicados que envolvem o passado e o presente. Foi uma surpresa muito legal para mim e aposto que vai ser para vocês também.  Super indicado!

03/02/2013

Filmes para marcar no calendário #2


  • O Lado Bom da Vida

Lançamento: 01 de fevereiro
Direção: David O. Rusell
Gênero: Comédia, Drama
Sinopse: Por conta de algumas atitudes erradas que deixaram as pessoas de seu trabalho assustadas, Pat Solitano Jr. (Bradley Cooper) perdeu quase tudo na vida: sua casa, o emprego e o casamento. Depois de passar um tempo internado em um sanatório, ele acaba saindo de lá para voltar a morar com os pais. Decidido a reconstruir sua vida, ele acredita ser possível passar por cima de todos os problemas do passado recente e até reconquistar a ex-esposa. Embora seu temperamento ainda inspire cuidados, um casal amigo o convida para jantar e nesta noite ele conhece Tiffany (Jennifer Lawrence), uma mulher também problemática que poderá provocar mudanças significativas em seus planos futuros.