19/12/2013

Resenha: As Virgens Suicidas

Título: As Virgens Suicidas
Autor: Jeffrey Eugenides
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 232
O cenário é o de um típico subúrbio americano dos anos 70. Mas são as forças de Eros e Thanatos que atuam em As virgens suicidas, envolvendo o leitor numa história original, narrada por uma espécie de coro semelhante ao das tragédias gregas.
Durante uma festa em sua casa, Cecilia Lisbon, uma garota de 13 anos se joga de uma janela do segundo andar sobre a cerca de ferro. Como uma maldição, num período de um ano, todas as cinco irmãs Lisbon cometem suicídio. Comprimidos, enforcamento, todas as formas são válidas para que, uma a uma, Lux (14), Bonnie (15), Mary (16) e Therese (17) encontrem seu caminho para a morte.
A tragédia marca tanto a rotina da vida local que uma investigação é levada a cabo pelos garotos da vizinhança. Passados 20 anos, eles reúnem um mórbido acervo de evidências, que vão desde entrevistas com parentes até diários e boletins de química. Mas os detetives amadores, determinados a descobrir qual a razão daquelas mortes, lutam para achar as peças deste quebra-cabeça que é a alma feminina.


Sempre gosto de alternar minhas leituras. Se eu me prender a um mesmo estilo durante muito tempo, a ressaca literária me atinge (e normalmente é nos piores momentos possíveis). As Virgens Suicidas surgiu nesse contexto: eu estava sentindo falta de um livro um pouco mais forte e, até onde eu sabia sobre esse livro, ele seria perfeito para o meu momento. Porém, não ocorreu como o esperado. Na verdade, apesar de alguns pontos terem me chamado atenção, o livro não me encantou totalmente.

As irmãs Lisbon sempre chamaram atenção da vizinhança. Hoje, anos depois das cinco irmãs terem cometido suicídio, seus vizinhos ainda tentam encontrar razões para explicar o que as teria levado a tal ato. Através de entrevistas com pessoas que viveram na época e presenciaram toda a evolução da tristeza dos Lisbon e também através de provas físicas, As Virgens Suicidas nos mostra o parâmetro de uma família totalmente destruída, de dentro para fora e como isso afetou a todos que conviveram com aquelas pessoas.

Segurando o queixo da menina com delicadeza, o médico perguntou: “O que você está fazendo aqui, meu bem? Você nem tem idade para saber o quanto a vida pode se tornar ruim”.
E foi então que Cecilia forneceu oralmente aquilo que seria sua única forma de bilhete de suicídio, e ainda por cima, um bilhete inútil, porque ela sobreviveria: “É óbvio, doutor”, ela disse, “você nunca foi uma menina de treze anos”. p. 11
Vou falar a verdade para vocês: se eu tivesse lido esse livro em outro momento, talvez eu tivesse uma experiência diferente com ele. Gosto muito de livros mais densos, que retratam uma realidade de uma forma um pouco alternativa àquelas que estamos acostumados a ver. Porém, em As Virgens Suicidas, eu não consegui ter o envolvimento que eu tive em outros livros do gênero. Não consegui passar da superficialidade do enredo e isso fez com que o livro se tornasse bem lento e arrastado do começo ao fim.

Não posso negar que um dos principais motivos que me fizeram lê-lo foi o fato de ele ser considerado um clássico da literatura norte-americana. Como todos nós sabemos, esses livros costumam vir carregados de uma cobrança bem maior para com o leitor. Foi exatamente isso que deu errado aqui: o livro cobrava demais de mim e eu simplesmente não consegui mergulhar na história de cabeça. Foi como se eu estivesse lendo uma história qualquer, sem algo que realmente me prendesse a atenção. Isso aconteceu porque o livro não tem uma narrativa contínua: uma hora estamos no presente, em outras estamos no passado, algumas vezes no mesmo parágrafo. É bem confuso para o leitor, pelo menos enquanto ainda não estamos adaptados ao estilo do autor.

Mas isso não tira o brilho da narrativa de Jeffrey Eugenides. O autor se prende aos detalhes: se algum comentário sobre qualquer coisa nos parece inútil à primeira vista, logo o autor nos surpreende e liga algum fato a este comentário algumas páginas depois. Ou seja, todo o seu enredo é bem amarrado e isso reflete muito em seus personagens: temos uma noção do quanto aquelas pessoas que estão abaladas por conta do tal acontecimento e como praticamente idolatram aquelas irmãs que tiraram sua própria vida, pois, uma vez que são eles que contam a história, não conhecemos o que as Lisbon realmente pensam, o que passam, o que é um prato cheio para as “conspirações de leitores” a respeito da verdade.

O sr. Lisbon insistia em tentar erguer Cecilia com delicadeza, mas mesmo em nossa ignorância sabíamos que não adiantava mais, que os olhos abertos e a boca que se contraía como a de um peixe cravado em um anzol eram apenas os nervos, e que ela havia conseguido, na segunda tentativa, lançar-se para fora do mundo. p. 32
Uma das melhores coisas desse livro são as diversas interpretações que você pode tirar dele: se você olhar por um ponto de vista cultural, vai ver a sociedade americana nos anos 70 em plena transição para os tempos contemporâneos refletido diretamente no comportamento dos personagens; você pode encarar o aspecto humano que os suicídios desencadearam; e, por fim, encarar somente como um entretenimento, uma vez que é sim uma leitura interessante se você se entregar totalmente ao enredo.

As Virgens Suicidas é um livro que eu vou colocar na lista de releituras para um momento mais propício. Ele não me caiu bem agora, mas eu sei que o potencial dele é grande, daqueles que abalam qualquer um que dê uma chance verdadeira ao livro. Se você perceber que o assunto é pesado demais para você como leitor, passe longe dele. Mas, se você gosta e está disposto a ler um livro mais denso, é uma boa dica. Mas lembrem-se: é um livro que exige muito, então estejam preparados. 

42 comentários:

  1. Eu tenho esse livro aqui na estante e já tentei começar a ler mas também senti que não estava me "doando" e me envolvendo completamente com a história por isso estou aguardando por um momento propício, acho que nessas férias eu tentarei novamente, adorei a resenha!
    Beijos.
    feitadepalavras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oie Luara =)

    Sempre vejo opiniões bastante extremas sobre esse livro. Alguns amam, outros odeiam, porém confesso que tenho bastante curiosidade de conhecer a história, pois ela parece bastante madura e um pouco diferente do que normalmente leio.

    Sei bem como é um livro que não combina com o nosso momento atual, mas uma releitura é sempre válida ^^

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary


    ResponderExcluir
  3. Eu tenho muita vontade de ler esse livro, mas creio que, principalmente, por ele ser um clássico muito lido nos Estados Unidos. E possivelmente isso poderia acontecer comigo, também, pois tenho certas expectativas com o enredo.
    E isso de conspiração provavelmente me deixará louca. Pensei que, em certo ponto do livro, o leitor chegaria a saber qualquer coisa, que seja, do que se passava na cabeça das irmãs. Uma pena...
    Vou esperar mais um pouco para lê-lo e, assim, estar mais preparada rs

    Beijos
    Mell Ferraz
    http://www.literature-se.com/

    ResponderExcluir
  4. Já vi muita coisa desse livro, mas nunca tive curiosidade de ler, não sei se por agora eu leria o livro, mas acho que vai ser bem mais lá para frente.

    beijokas

    ResponderExcluir
  5. Tenho bastante curiosidade em ler esse livro, mais acho que assim como você não estou no momento certo, mais futuramente espero lê-lo.

    Beijos, Paradoxo Perfeito

    ResponderExcluir
  6. Sinceramente, acredito que eu não iria gostar desse livro. Ele parece interessante o suficiente pra eu arriscar a leitura, mas tô com um pé atrás, não é exatamente meu estilo.

    Beijos
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. acho que você deve fazer isso mesmo: tentar rele-lo!
    o livro parece ser ótimo, e eu tenho muita curiosidade em ler, e espero ler no momento certo, e não me decepcionar :P
    você já assistiu o filme baseado nele??

    ResponderExcluir
  8. Tô pra ler esse livro já faz um tempo, mas sempre esqueço dele quando vou comprar alguma coisa. Essa geração de autores da década de 90 ou fim de 80 (David Foster Wallace, Jeffrey Eugenides, Zadie Smith...) têm um jeito muito interessante de tratar de assuntos densos, mas que são preocupações universais, como a morte, consumismo, desajuste social, sempre conciliando a dignidade artística com a acessibilidade. Você tem razão em dizer que é um livro que exige do leitor, mas o esforço costuma valer a pena. Não sei, vou comprá-lo logo pra ver como é.

    http://delirandoeescrevendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá Luara, tudo bem flor?
    Eu confesso que não sinto vontade de ler esse livro, mas acho capa e títulos bem interessantes.

    xoxo
    Mila f.
    @camila_marcia
    De Livro em Livro
    Devaneios Fugazes

    ResponderExcluir
  10. Hum, não conhecia esse livro. Vou procurar saber mais a respeito, parece interessante.

    Você disse que ele não te envolveu como aconteceu com outros livros do gênero. Quais outros livros desse tipo você conhece e indica?

    Obrigado,
    eu

    ResponderExcluir
  11. Acho válido tentar uma releitura desse livro. Clássicos são assim mesmo, às vezes é difícil mergulhar na leitura e passar da superficialidade do enredo. Nunca tive a chance de ler, mas tenho uma imensa curiosidade.

    Beijos
    Caline - Mundo de Papel

    ResponderExcluir
  12. Oi! Fiquei curiosa por ler esse livro, mas realmente seria em outro momento...
    Te indiquei na TAG 5 livros que eu gostaria de viver ;D
    http://wesaysomething.blogspot.com.br/2013/12/tag-5-livros-que-voce-gostaria-de-viver.html
    beijos

    ResponderExcluir
  13. Oi, Lu.
    Acho que já havia lido algum comentário sobre "As Virgens Suicidas" e desde esse período o livro já não me despertou tanto interesse, confesso. Sei muito bem quando lemos certos livros no momento errado, é uma pena... :(

    Beijo!

    ResponderExcluir
  14. Oi, Luara!
    Gosto muito desses livros com enredos mais densos, que exigem um pouco mais do leitor. Vou dar uma chance a esse clássico.

    Beijos,
    Bia Sampaio
    http://www.epilogosefinais.com/

    ResponderExcluir
  15. Boa noite Luara,

    Essa é a primeira resenha que leio desse livro, depois da sua resenha fiquei super curioso, gosto do estilo de leitura, boa dica e parabéns pela resenha....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Oi Luara,
    Vi esse livro numa livraria e fiquei com um bocado de vontade de ler, mas eu não tive a oportunidade ainda.
    Nem sabia que era um clássico!
    Eu vou lê-lo mesmo com receio do seu peso.
    Beijos e até,
    Ana.
    http://umlivroenadamais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Luara!
    Tem livros que realmente exigem muito de nós como leitores e precisamos estar preparados.
    Um drama como esses onde uma familia inteira comete suicídio de várias formas é preciso ter um certo equilíbrio para não se deixar afetar.

    FELIZ NATAL!!
    cheirinhos
    Rudy
    Blog Alegria de Viver e Amar o que é Bom!
    " A Melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida. (Desconhecido)".

    ResponderExcluir
  18. Muito interessante a resenha, pretendo ler o livro em breve.

    ResponderExcluir
  19. De fato tem que haver um preparo emocional para ler um livro como esse sem se abalar ou afetar,confesso que não tenho interesse no momento estou mas para romances de todos tipos!
    rose.nea@hotmail.com
    http://lendoaprendendoevivendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Muito interessante a resenha, pretendo ler o livro em breve.

    ResponderExcluir
  21. Já li várias resenhas sobre esse livro. Se eu não me engano, o Bruno Miranda do vlog Minha Estante gosta bastante de ''As virgens suicidas''.
    A temática desse livro realmente me encantou,e esse gênero é um dos meus favoritos. Entendo quando você diz que o livro não combinou com seu momento atual e isso é péssimo haha
    Parabéns pela resenha. Beijos.

    ResponderExcluir
  22. Nossa mais que história triste. Fiquei até um pouco chocada com a história, mas também não nego que fiquei curiosa com as personagens. Tenho que ler pra saber mais. Obrigada pela resenha. Foi bem instigante ler e saber deste livro. Beijos.

    ResponderExcluir
  23. Nunca tinha visto esse livro,pelo que me lembro..A história com certeza é bem forte,não sei se teria vontade de lê-lo,acho que não é um momento para entra em uma leitura muito forte assim.Mas quem sabe um dia.
    Bjs'

    ResponderExcluir
  24. Uau, essa história chama muito a atenção, bem forte, mas gostaria de ler!

    ResponderExcluir
  25. Tenho muito interesse em ler esse livro, mas não o conhecia antes de ser relançado pela Cia das Letras e nem o filme, mas quando soube me interessei imediatamente por ambos. Além de ser praticamente um clássico, tem uma história muito interessante e ainda o adicional de ter sido adaptado por uma cineasta bastante conceituada e tudo isso contribuiu para o livro estar entre um dos principais na minha lista de desejados. Uma pena não ter agradado tanto algumas pessoas, mas isso não diminuiu minha vontade de ler, ainda acredito que seja ótimo. ;D

    ResponderExcluir
  26. Já escutei falar desse livro,mas não fiquei muito envolvida na história e resolvi não ler por agora,quem sabe mais para frente! :)

    ResponderExcluir
  27. ameei, ja ouvi falar depois da resenha vou providencia-lo logo

    ResponderExcluir
  28. Já ouvi falarem bastante sobre este livro e estou bem interessada, ainda mais depois desta resenha.. Pretendo comprá-lo ainda este mês!

    ResponderExcluir
  29. Ola, gostei muito da resenha, é um dos livros que vai entrar na minha meta de leitura

    ResponderExcluir
  30. Que legal! com todo respeito é claro... Já estou que nem os garotos da rua, louca pra saber o mistério por trás dessas mortes.

    ResponderExcluir
  31. Apesar de saber de toda a carga que a história traz, de ser um clássico e tal, não estou em um momento para leituras mais densas e você disse muito bem, que é importante estar no momento para a leitura e não é o meu caso. Gostei muito da sinceridade da resenha, mas não seria uma leitura para agora.

    ResponderExcluir
  32. Não li o livro, mas parece ter um história bem densa.
    No momento creio que não seria bom lê-lo, devido a quantidade de livros densos e dramáticos que tenho lido, mas mais para frente, creio que seria uma boa leitura.

    ResponderExcluir
  33. Bom, não gosto muito desse tipo de história, mas não deixa de parecer que é um livro bom... Gostei mais da resenha haha
    Parabéns! ^^

    ResponderExcluir
  34. pq será que tem tipo de livro que a gente não consegue se concentrar em ler? rs esse é um gênero que pra mim não dá.

    ResponderExcluir
  35. É bem pesado mesmo o contexto.
    Não, é? A capa é bem bonita. Mesmo tendo um lado meio sombrio.
    bjos

    ResponderExcluir
  36. Eu tenho muita curiosidade de ler esse livro, assisti o filme anos atrás mas acho que muita coisa ficou de fora, gosto de clássicos e histórias mais densas, a única questão é que esse tipo de livro precisa de um momento em que estejamos realmente engajados na história e normalmente uma única leitura não é suficiente para abarcar todas as nuances, acho realmente que você deve reler em outro momento mais propício.

    ResponderExcluir
  37. Ainda não li o livro ... Nossa, tem muitas dicas de títulos ótimos !

    www.lucianashibazaki.com

    ResponderExcluir
  38. Comigo aconteceu a mesma coisa, mas com relação ao filme. Eu o assisti mas no momento errado, acho que eu era muito jovem, pois não entendi o por quê dele ser tão aclamado, não me fisgou. Mas, após muitos anos, estando mais maduro, estou curioso para ler o livro, que é um clássico. Quem sabe eu acabe entendendo e gostando, ou em definitivo achá-lo superestimado.

    ResponderExcluir
  39. Li este livro semana passada e adorei. Só me decepcionou um pouco porque mistério nenhum foi revelado, mas não deixa de ser um bom livro.
    Essa coisa de ficar entre passado e presente não é mesmo muito legal, acho que foi o grande ponto negativo da história. O livro é bem pequeno, mas quando o narrador pulava pro passado ficava dando milhões de descrições desnecessárias, na minha opinião. Isso impediu a leitura de fluir melhor.
    Você já assistiu o filme? Também é legal e fiel.
    Blog |Curte?

    ResponderExcluir
  40. Sinceramente nao gostei desse livro nao, sei la nao faz muito meu gosto literario entao passo, mas parabens pela resenha.


    xx

    ResponderExcluir
  41. Oi, Luara!
    Finalmente encontrei alguém que sentiu a mesma coisa que eu lendo As Virgens Suicidas! Não me sinto mais tão sozinha ; )
    Acabei de escrever uma resenha lá no meu blog. Se quiser ler, fique à vontade.
    Beijo!
    Eduarda, do Maquiada na Livraria.

    ResponderExcluir