30/04/2014

Resenha: Névoa

Título: Névoa
Autora: Kathryn James
Editora: Farol Literário
Páginas: 336
Gwen, uma garota de 15 anos, marca sua festa de aniversário no meio da mata. Sua irmã Nell sabe dos perigos de fazer uma festa na floresta, mas Nell não consegue impedir a irmã. Gwen é levada pela névoa da floresta. Somente Nell sabe quem está por trás do sequestro de sua irmã – o garoto que ela imaginava ser seu amigo, o belo e misterioso Evan River. Evan não é um garoto comum – ele tem um segredo que fará com que Nell questione tudo o que ela sempre ouviu de sua avó: que as histórias sobre as meninas perdidas fossem apenas contos de fadas. Evan vive à margem do mundo de Nell, raramente vislumbrado, incompreendido e temido. Um confronto entre os dois mundos está prestes a começar.


Desde o anúncio do lançamento de Névoa, fiquei curiosa com essa história. É difícil a gente ver a cultura élfica ser explorada, ainda mais quando temos muitos fãs de outros seres sobrenaturais, como bruxos e vampiros, e é difícil para as pessoas se aventurarem em outros mundos. A minha expectativa estava absurda, até que vi algumas críticas que não me agradaram tanto, logo resolvi esperar um tempo para que eu não começasse a ler esperando algo errado. Esse tempo entre o lançamento e a minha leitura foi essencial, pois tenho certeza que naquele momento eu me decepcionaria e muito. Mas, felizmente, Kathryn James conseguiu me convencer e me proporcionou uma ótima leitura.

Nell é uma garota solitária. Sempre foi ofuscada pelo brilho de sua irmã, Gwen, que é extrovertida, popular e muito ousada. Certa noite, Gwen resolve comemorar seu aniversário no bosque atrás de sua casa, onde existe uma névoa cercada de lendas e mistérios, passados de geração em geração. Mesmo com todos os alertas, ela é levada pela névoa e Nell descobrirá que nem todas as histórias de sua avó eram apenas contos de fadas e caberá a ela fazer de tudo para salvar sua irmã.

A névoa saiu de seu rosto, deixando-o melado, mas secando rapidamente. Era como descer de um avião em um país estrangeiro. Os cheiros, os barulhos e a sensação do ar eram estranhos.O último vestígio da névoa rodopiou e recuou, e ela viu onde estava. Era muito, muito longe de casa. p. 99
Vamos aos fatos: quem não fica curioso com a capa de Névoa? Ela é bonita instigante, cheia de mistério e te faz querer saber tudo o que está acontecendo naquela cena, um trabalho muito bem feito da editora Farol Literário. Com o acréscimo da perspectiva de um novo universo além do que eu já conhecia sendo explorado, minha expectativa, mesmo após o tempo que eu dei, ainda estava grande. Só que, ao começar minha leitura, não conseguia me apegar de jeito nenhum ao enredo criado por Kathryn James. A protagonista, Nell, não me convencia, o enredo não se desenrolava e isso fez com que o começo do livro fosse uma leitura extremamente lenta e arrastada.

Isso acontece porque James tinha muito em mãos e não soube como direcionar o enredo na primeira metade do livro. Era como se ela dissesse muito, jogasse diversas informações para o leitor e isso não fazia nenhuma diferença no final das contas, ou seja, Névoa me pareceu não ter um objetivo traçado desde o começo. Foi só na segunda metade do livro que a autora finalmente se encontrou e conseguiu instigar o leitor acerca da mitologia élfica, já que ela insere elementos como ação e surpresa para fisgar o leitor. Algo que me decepcionou foi que a autora poderia ter explorado mais a parte da mitologia, mas creio que no segundo volume da duologia saberemos mais detalhes sobre a cultura dos elfos da série.

Os personagens são algo a parte. A única evolução notória vem de Nell, a protagonista, que no começo é muito apagada e conformada com tudo, mas que no final me surpreendeu e me ganhou sendo proativa na história, sendo corajosa e mostrando tudo o que ela era capaz de fazer. Já sua irmã, Gwen, chega a ser irritante com a sua ilusão de mundo problema, mas, como não a vemos tanto no enredo, nem chega a ser um problema. A grande diferença no enredo foi feita pelos personagens secundários, como a própria raça élfica e os Observadores, que deram um algo a mais para o enredo e que têm muito mais a serem explorados.

- Você não entende, não é, Nell? Não percebe o quão longe estamos da sua casa. Estamos fora de seu mundo. Estamos fora de seu tempo. Estamos flutuando livres. Daqui, todos os seus países estão a um caminho de névoa de distância. Pense nelas como portas mágicas. Faça um desejo e então, lá está!... você está em algum lugar diferente. p. 173
Agora, se você está esperando grandes surpresas, pode parar por aí: Névoa segue um modelo padrão e previsível de fatos, então não nenhuma grande reviravolta digna de comentários. A autora optou por um enredo mais simples para poder explorar outras partes, como desenvolvimento da protagonista e também precisou de tempo para falar dos seus seres sobrenaturais, afinal, ainda não estamos acostumados a vê-los por aí. Esse fato tirou muito do brilho que o livro poderia ter, mas ao mesmo tempo fez com que a leitura fosse agradável, porque não houve paradas bruscas e isso fez com que esta fosse contínua, e foi justamente por isso que eu continuei insistindo no livro após aquele começo arrastado.

Névoa é um livro que tinha tudo para ser incrível, mas estagnou no bom. A autora Kathryn James poderia ter explorado diversos ângulos da história, mas optou pelo previsível e isso fez com que o livro não alcançasse todo seu potencial. Porém, como ainda há muito que pode ser trabalhado, tanto na parte dos personagens quanto na parte da cultura élfica, com certeza lerei a continuação , que se chama Gelo e será lançado pela Farol Literário e espero muito não me decepcionar. 

28/04/2014

Promoção: 2 anos do Carpe Liber


O blog Carpe Liber faz 2 anos é claro que o Estante Vertical não poderia ficar de fora dessa festa, não é mesmo?
Por isso nos reunimos para formar um kit super bacana para presentear nossos leitores. Então já sabem: participem, torçam bastante e boa sorte!

26/04/2014

20 anos x 20 livros desejados

Hey galera, tudo bem? :)
Dia 4 de maio é o tão temido dia: meu aniversário. Todos os anos eu fico tensa porque parece que o tempo está passando rápido demais. Mas esse ano tem tensão em dobro: vou fazer 20 anos, VINTE! Esse dois na frente da idade faz uma pressão em cima de mim, como se eu tivesse que ter uma certa responsabilidade por causa disso.

Mas, deixando essa parte de lado, vamos ao objetivo do post. A Yasmim (aquela que fez o post sobre o Piquenique da Galera) pediu para eu fazer uma lista de livros que estão entre meus desejados para ninguém se perder na hora de me presentear - afinal, o risco de me dar algum livro repetido é ALTO. Então vamos lá?



Título: Amor Contra o Tempo
Autora: Myra McEntire
Editora: Galera
Ponto Frio / Submarino
Emerson Cole sempre achou que algo estava errado com ela. Quando passou a ver pessoas deslocadas da realidade - que eram, na verdade, projeções do passado - e que, ao tentar tocá-las, elas desapareciam como fumaça, Em teve certeza. E então vieram os remédios, a depressão, o colégio interno. Agora que seu período no internato chegou ao fim e ela está de volta ao lar, Emerson vê sua sensação de paz prestes a desmoronar. Alguns fantasmas não estão mais desaparecendo com um simples toque. E com a chegada de Michael Weaver, o consultor de uma misteriosa organização que promete ajudá-la a se libertar dessa condição, um simples toque poderá condicioná-la a algo ainda mais perigoso: a paixão.


 Título: Sombra e Ossos
Autora: Leigh Bardugo
Editora: Gutenberg
Alina Starkov nunca esperou muito da vida. Órfã de guerra, ela tem uma única certeza: o apoio de seu melhor amigo, Maly, e sua inconveniente paixão por ele. Cartógrafa de seu regimento militar, em uma das expedições que precisa fazer à Dobra das Sombras – uma faixa anômala de escuridão repleta dos temíveis predadores volcras –, Alina vê Maly ser atacado pelos monstros e ficar brutalmente ferido. Seu instinto a leva a protegê-lo, quando inesperadamente ela vê revelado um poder latente que nunca suspeitou ter.
A partir disso, é arrancada de seu mundo conhecido e levada da corte real para ser treinada como um dos Grishas, a elite mágica liderada pelo misterioso Darkling. Com o extraordinário poder de Alina em seu arsenal, ele acredita que poderá finalmente destruir a Dobra das Sombras.  Agora, ela terá de dominar e aprimorar seu dom especial e de algum modo adaptar-se à sua nova vida sem Maly. Mas nesse extravagante mundo nada é o que parece. As sombrias ameaças ao reino crescem cada vez mais, assim como a atração de Alina pelo Darkling, e ela acabará descobrindo um segredo que poderá dividir seu coração – e seu mundo – em dois. E isso pode determinar sua ruína ou seu triunfo.

24/04/2014

Resenha: Me Liga

Título: Me Liga
Autora: Sarah Mlynowski
Editora: Galera Record
Páginas: 320
Aos 17 anos, a vida de Devi está de pernas pro ar. Depois de começar a namorar Bryan, negligenciou as amigas, os estudos e, depois que ele terminou com ela, está sem nada: sem perspectiva de uma boa faculdade, sem mais amigas, sem namorado. Se ela pudesse bater um papo com a Devi do passado... O que, após um incidente estranho com seu celular, é exatamente o que pode fazer! Agora que só consegue ligar para a Devi de 14 anos, parece que é finalmente a sua chance de consertar a própria vida. Ela tem o passado – ou melhor, o futuro – nas mãos. É só dar um telefonema.


Desde que li 10 coisas nós que fizemos (e provavelmente não deveríamos), sabia que qualquer livro da autora Sarah Mlynowski que fosse lançado teria que ser lido. Afinal, quem não gosta de livros despretensiosos, daqueles que o único objetivo é passar seu tempo com uma história legal? É exatamente isso que o primeiro livro que li da autora me proporcionou e não foi diferente com Me Liga. Como dessa vez eu já sabia o que esperar, a superficialidade do enredo não me incomodou: ao contrário, me salvou da ressaca que os livros mais lentos deixaram e sua simplicidade fez com que Mlynowski me ganhasse mais uma vez.

Após terminar um namoro longo, Devi começou a remoer todas as decisões que fez até então. Ela gostaria de poder voltar no tempo e consertar todas as besteiras que fez – como começar o namoro, perder suas amigas no meio do caminho ou ter que se contentar com uma universidade não tão boa assim. Certo dia, com seu jeito destrambelhado ela deixa o celular cair em uma fonte no shopping e, em vez de estragar, o celular ganhou uma nova função: ela conseguia telefonar para seu eu passado de 14 anos. Agora ela mudará diversas coisas em sua vida e isso poderá ter as mais diversas consequências...

Se eu pudesse voltar no tempo, a coisa mais imoortante que eu diria a mim mesma seria isso: nunca, jamais, se apaixone pelo Bryan. Eu advertiria minha pessoa de 14 anos para nem sair com Ele, para começar. (...)Imagine só. Falar com meu eu de 14 anos. Quem me dera. p. 10
Se você pudesse falar com o seu eu passado, o que você mudaria? É em cima dessa premissa que Me Liga se constrói e ela já foi mais do que suficiente para me deixar curiosa sobre o que estava por vir, afinal, a autora poderia abordar o assunto de diversas formas diferentes. Mas, como já era esperado, Mlynowski optou pela abordagem mais simples e criou um enredo voltado para os dramas pessoais da protagonista. Como eu já sabia o que esperar dessa vez, minha experiência foi muito mais proveitosa do que a minha anterior com a autora: dessa vez ela conseguiu me ganhar logo de cara e me transportar para dentro do enredo.

Isso acontece porque todas as situações por qual Devi passa – tanto no presente quanto no passado – são palpáveis, você sente que aquilo poderia acontecer na sua própria vida. É claro que existe a parte em que ela consegue falar com ela mesma no passado, o que é impossível de acontecer na vida real, mas, como o foco da autora não é explicar as causas ou como isso ocorre, o fato de existir essa comunicação passa a ser algo corrente, como se fosse perfeitamente plausível. Isso faz com que o leitor seja direcionado para o objetivo do livro: mostrar que nossas escolhas decidem nosso futuro. Cada coisinha que fazemos agora tem consequências no futuro.

Mlynowski conseguiu transmitir essa mensagem muito bem através de sua protagonista. No livro temos uma narrativa em primeira pessoa através de dois pontos de vida: a da Devi com 14 anos – conhecida no livro como Caloura – e a Devi que já tem 17 anos – que é chamada de Ivy. Apesar de ser a mesma pessoa, elas são completamente diferentes: Ivy, por já saber tudo que vai acontecer, em alguns momentos me tirou do sério, já que ela é uma personagem chata e mandona. Já a Caloura me encantou mais, pois ela é inocente e ousada, duas características que rendem um bom enredo.

Talvez eu tenha feito um desejo. Talvez ele tenha se tornado realidade. Talvez eu tenha ligado para mim mesma no passado. Talvez eu possa continuar ligando para mim no passado. Dou mais um gole na Coca. Talvez eu esteja ficando louca. p. 31
Como já dá para perceber só de ler a sinopse, o livro não tem grandes surpresas. Ele segue um rumo até bem previsível, mas isso não tira seu encanto, afinal, o propósito do livro é simplesmente entreter o leitor. Já disse aqui outras vezes, mas livros clichês estão entre meus queridinhos, pois são estes que salvam meu ritmo de leitura, sempre leio algum quando parece que nenhuma outra leitura vai me agradar. Assim como todos os livros do gênero, Me Liga é extremamente fluido, o que fez com que eu o lesse em somente um dia.

Com um enredo totalmente despretensioso, Me Liga é aquele livro que você lê quando está procurando algo mais leve, para intercalar entre leituras pesadas. Mlynowski conseguiu reunir elementos como humor, amor e amizade e isso proporciona uma ótima leitura. Como é um livro bem previsível, o excesso de expectativa pode decepcionar leitores mais desatentos, afinal, a capa bonita e chamativa (eu adorei <3) é um fator determinante na hora da escolha. Então, se você está procurando uma leitura bem leve, esse é um livro totalmente indicado. Porém, vão por mim: não esperem um enredo super trabalhado, pois isso pode atrapalhar a leitura de vocês e estragar todo o encanto que o livro carrega. 

21/04/2014

Promoção: O Tesouro da Encantadora

Ah, os infantojuvenis! <3 Como vocês viram na minha resenha de O Tesouro da Encantadora, esse livro me ganhou TOTALMENTE! Ele é um exemplo de como esse gênero está me conquistando mais e mais. É por causa disso que não poderia deixar de fazer uma promoção de um exemplar dele aqui, não é mesmo? :)
Então já sabem: participem MUITO, cruzem os dedos e boa sorte!

15/04/2014

#HyperboleNaPlaneta

Olá pessoal! :)
Então... Eu gravei um vídeo. Sim, eu sei, que vergonha! Depois de 2 anos sem gravar nadinha, eu finalmente gravei um e vocês já sabem o resultado: deu TUDO errado! Mas foi por uma boa causa e espero que vocês perdoem esse vídeo totalmente vergonhoso por causa dela, ok?
Enfim... É bem curtinho, então dá pra ver bem rápido e entender melhor o motivo, ok?



Espero que tenham gostado e participem desse projeto! <3

Desafio da Tradição

Olá pessoal!

O mês de Maio está chegando e esse é considerado o mês das noivas. Acredito que vocês conheçam a tradição que diz: "Num casamento, devemos usar uma coisa nova, uma coisa velha, uma coisa emprestada, uma coisa ganhada e uma coisa azul", não é?

Pois nós somos "noivas leitoras" apaixonadas por livros e nos próximos 45 dias participaremos de um "casamento literário coletivo"! Nesse pacto, o Desafio é selar nossa paixão lendo um livro novo, um livro velho, um livro emprestado, um livro ganhado e um livro de capa azul.


13/04/2014

Promoção: 1 ano do Um Papo Entre Páginas


Hoje o blog Um papo entre páginas faz aniversário e é claro que o Estante Vertical não poderia ficar de fora dessa festa, não é mesmo?
São vários livros para muita gente sair ganhando! Então participem muito e boa sorte!

Regras: 

- Inicio em 13/04/2014 e Término em 13/05/2014
- Cumprir as regras obrigatórias do formulário, e as extras para maiores chances de ganhar.
- O sorteado tem até 48 horas para responder o contato feito por mim.
- Os blogs e autores são responsáveis pelo envio de seus respectivos livros, e não nos responsabilizamos
 por extravios do correios.
- É obrigatório residir em território nacional
- O prazo para envio do livro é de 40 dias.

09/04/2014

Resenha: A Bruxa de Near

Título: A Bruxa de Near
Autora: Victoria Schwab
Editora: Planeta
Páginas: 240
Na cidade de Near não existem estranhos e a velha história da Bruxa é contada apenas para assustar as crianças. Estas são as verdades que Lexi Harris ouviu durante toda a vida. Mas quando um estranho, um garoto que parece desaparecer como fumaça, surge em uma noite do lado de fora de sua casa, ela sabe que algo não está correto. Na noite seguinte, crianças começam a desaparecer de suas camas sem deixar qualquer vestígio e o estranho é o principal suspeito. Mas quando o garoto se oferece para ajudar na busca, algo no coração de Lexi diz que ele esconde outros segredos e não é o culpado. Ela estaria imaginando ou o vento parecia sussurrar através das paredes? Quando a busca pelas crianças se intensifica, o mesmo acontece com a necessidade de Lexi de saber sobre a Bruxa que talvez não seja só uma história para dormir... 


Sempre fui apaixonada por bruxas. A mitologia em torno delas me encanta e o autor sempre tem a chance de ser original, porque são muitas coisas para serem exploradas. É por isso que, sempre que tenho oportunidade – o que, infelizmente, não ocorre com muita frequência –, leio algo na temática. A Bruxa de Near chegou exatamente dessa forma para mim e foi me conquistando aos poucos. A autora Victoria Schwab me surpreendeu ao optar por se aprofundar mais na mitologia do livro do que no romance entre os protagonistas. Esse ponto foi essencial para que o livro evoluísse de “a mesma coisa de sempre” para algo com um diferencial.

Lexi Harris vive com sua mãe e sua irmã na pequena cidade de Near, que é cercada de histórias sobre bruxas que deixam todas as pessoas amedrontadas. Certo dia, um estranho aparece no lugar e, como se já não bastasse toda a desconfiança em torno dele por aparecer sem aviso, as crianças do lugar começam a desaparecer. Lexi, que aprendeu as habilidades de rastreadora com seu pai, não irá se contentar em esperar: ela irá em procura da verdade, até porque não quer que sua irmã tenha o mesmo destino. Ela só não imaginava que o estranho pudesse vir a fazer tanta importância na vida dela.

Quando eu era pequena, o vento me cantava músicas de ninar. (...) Mas esta noite é diferente. Como se houvesse uma nova música tocando, mais baixa e mais triste que as outras. (...) A vista se perde e o mundo parece pintado de branco e negro, frio e quieto. (...) Mas eu juraria que vi... Novamente algo se move. (...) Não há estranhos na cidade de Near. Eu já vi todos os rostos mil vezes. Mas não este. p. 9
Atualmente, está realmente muito comum que a maioria dos livros, sejam eles sobrenaturais ou não, foquem no romance dos protagonistas. Não que isso seja um problema, afinal, eu adoro torcer durante um livro inteiro para que um casal dê certo e tudo mais. Porém, com toda essa onda, é cada vez mais raro encontrar um livro que tenha algum diferencial, algo que chame sua atenção por não seguir o mesmo padrão. A Bruxa de Near se enquadra exatamente nisso: sua mitologia bem trabalhada faz com que qualquer leitor que seja um pouquinho curioso mergulhe de cabeça no enredo. Eu lia e queria saber mais e mais sobre tudo que estava envolvido e a Victoria Schwab conseguiu explorar isso muitíssimo bem, fazendo com que o mistério ficasse presente até o fim do enredo.

Porém, não foi uma leitura fluida desde o início. Demorei um pouco para pegar o ritmo de narrativa da autora, uma vez que na primeira metade do livro é necessária que uma ambientação geral seja feita e, para que o livro não ficasse tão cheio de informações logo de cara, a autora o faz de forma gradativa e isso acaba tornando esse começo um pouco arrastado, como se o livro não tivesse um propósito definido. Mas, passadas as 100 primeiras páginas, logo você se vê envolvido com o enredo e a narrativa em primeira pessoa facilita muito esse processo, já que você vai descobrindo com a protagonista todo o desenrolar da trama e isso faz com que o leitor se sinta curioso e instigado a querer se aprofundar no livro.

Por causa dessa narrativa, temos um contato maior com Lexi, que é uma protagonista forte e muito decidida, e isso realmente me atraiu em sua personalidade. Porém, em algumas situações, ela se torna chata e até impulsiva demais, o que fez com que minha relação com a personagem ficasse oscilando durante todo o enredo. Já Cole é intrigante, e, por ser moldado por todas as coisas que ele passou, até chega a ser confuso – e isso é um ponto positivo, já que é uma característica palpável e com isso você percebe que a autora conseguiu ter um trabalho específico com ele. Creio que nos próximos volumes da série (que pelo que eu vi, realmente vai ter uma continuação) o passado de Cole será ainda mais explorado, uma vez que muitas coisas ficaram no ar.

Bruxas podem chamar a chuva ou juntar pedras. Conseguem fazer o fogo dançar. Conseguem mover a terra. Conseguem controlar um elemento. Como Magda e Dreska Thorne conseguem fazer. Perguntei a elas uma vez o que eram e disseram velhas. Velhas de verdade. Mas não é tudo. As irmãs Thorne são bruxas, simples assim. E bruxas não são muito bem-vindas em Near. p. 25
Mas vamos ao principal: A Bruxa de Near não é um livro com um enredo muito grandioso e nem é um livro tão surpreendente assim. Ele tem uma proposta e segue esta a risca, resultando em acontecimentos previsíveis e isso pode frustrar leitores que esperam demais no quesito de ação e coisas inesperadas. Porém, para mim funcionou. Gostei sobre como a autora explorou a parte da mitologia e como ela conduziu isso, quase com um olhar inocente. Esse aspecto de como contar uma história anda muito raro – já que agora a ação ou o romance praticamente tomam conta dos livros mais vendidos – e foi uma grata surpresa para mim.

Apesar de seus pontos negativos, A Bruxa de Near conseguiu se sair muito bem. É um livro que foca na história que cerca seus personagens e não nos personagens em si, o que é um ponto muito positivo na hora de fazê-lo se destacar entre outros, já que está cada vez mais raro encontrar um livro com essas características. Então é aquilo: se você curte a temática, é um livro que vale a pena investir. Apesar de não ter se tornado um dos meus favoritos, foi uma leitura agradável e compensou a minha expectativa. 

07/04/2014

Lançamentos #43: Galera Record

Título: The 100 - Os Escolhidos
Autora: Kass Morgan
Páginas: 288
Desde a terrível guerra nuclear que assolou a Terra, a humanidade passou a viver em espaçonaves a milhares de quilômetros de seu planeta natal. Mas com uma população em crescimento e recursos se tornando escassos, governantes sabem que devem encontrar uma solução. Cem delinquentes juvenis — considerados gastos inúteis para a sociedade restrita — serão mandados em uma missão extremamente perigosa: recolonizar a Terra. Essa poderá ser a segunda chance da vida deles... ou uma missão suicida.



 Título: O Sacrifício (Hex Hall #3)
Autora: Rachel Hawkins
Páginas: 304
Neste terceiro volume de Hex Hall, Sophie Mercer, com seus poderes reprimidos pelo Conselho dos Prodígios e mais vulnerável do que nunca, deve impedir a guerra épica que se aproxima. O único feitiço capaz de ajudar Sophie a recuperar os seus poderes está bem guardado no Hex Hall, onde tudo começou, protegido pelas malignas irmãs Casnoff. Acompanhada de sua melhor amiga-vampira Jenna, seu namorado Archer, seu noivo Cal (sim, a vida amorosa dela é complicada), e uma fantasma pentelha, Sophie travará uma batalha contra um exército de demônios. Mas mesmo com seus melhores amigos e aliados, o destino de todos os Prodígios está nas mãos dela, e somente dela.


04/04/2014

5 filmes que não consigo parar de assistir

Depois de mais um ano, olha quem está de volta aqui no blog! \o/
As últimas três edições (confira a primeira, a segunda e a terceira) foram bem legais de se fazer e é claro que eu não podia deixar de fazer mais uma.
Ultimamente tenho visto vários filmes e, por alguma razão do universo, é bem difícil eu ver algum filme novo, acabo sempre optando por aqueles que já vi e gostei. Um pouco estranho, não?
Esse post é exatamente para isso: para mostrar quais são esses filmes que eu não consigo (de jeito nenhum) parar de assistir. Será que vocês já viram algum?

  • Juno

Provavelmente a grande maioria de vocês já assistiu o fofíssimo Juno. Esse filme é tão amor, mas tão amor, que eu simplesmente não consigo parar de ver, já até gravei algumas falas aqui e ali. O mais legal sobre esse filme é que, cada vez que eu vejo, descubro um detalhe que não tinha visto antes e isso sempre me anima, porque muda a minha perspectiva ao analisar a situação que os protagonistas se envolvem.
Mas vamos falar sobre as coisas boas: a trilha sonora desse filme é uma das melhores! Não sei quanto a vocês, mas eu sempre presto atenção em trilhas sonoras e quase sempre que eu vejo um filme novo, acabo buscando a lista das músicas do filme e pego pelo menos uma pra mim. E Juno ganha várias estrelas nesse quesito e inclusive a Ellen Page e o Michael Cera (que eu adoro tanto que já vi basicamente todos os filmes que eles fizeram) cantam uma música no fim que eu adoro: Anyone else but you, que é melhor que a original e inclusive eu tenho aqui também. <3
Mas sobre o filme, uma das coisas que mais me chamam a atenção é a abordagem sarcástica que ele tem sobre um tema que daria mais um filme dramático: a gravidez na adolescência. Então esse diferencial faz o filme ser único e vale muito a pena dar uma chance para ele.