09/06/2014

Resenha: Dançando Sobre Cacos de Vidro

Título: Dançando Sobre Cacos de Vidro
Autora: Ka Hancock
Editora: Arqueiro
Páginas: 336
Lucy Houston e Mickey Chandler não deveriam se apaixonar. Os dois sofrem de doenças genéticas: Lucy tem um histórico familiar de câncer de mama muito agressivo e Mickey, um grave transtorno bipolar. No entanto, quando seus caminhos se cruzam, é impossível negar a atração entre eles. Contrariando toda a lógica que indicava que sua história não teria futuro, eles se casam e firmam – por escrito – um compromisso para fazer o relacionamento dar certo. Mickey promete tomar os remédios. Lucy promete não culpá-lo pelas coisas que ele não pode controlar. Mickey será sempre honesto. Lucy será paciente. Como em qualquer relação, eles têm dias bons e dias ruins – alguns terríveis. Depois que Lucy quase perde uma batalha contra o câncer, eles criam mais uma regra: nunca terão filhos, para não passar adiante sua herança genética. Porém, em seu 11° aniversário de casamento, durante uma consulta de rotina, Lucy é surpreendida com uma notícia extraordinária, quase um milagre, que vai mudar tudo o que ela e Mickey haviam planejado. De uma hora para outra todas as regras são jogadas pela janela e eles terão que redescobrir o verdadeiro significado do amor. Dançando sobre cacos de vidro é a história de um amor inspirador que supera todos os obstáculos para se tornar possível.


Vocês provavelmente já devem ter visto alguém falando de Dançando sobre cacos de vidro por aí. Talvez vocês já tenham visto a capa em algum lugar e é muito provável que ele tenha passado despercebido. Infelizmente, esse livro não tem todo o destaque que merece. Porém, em uma dessas minhas aventuras literárias, acabei dando uma chance para ele. E ainda estou abalada e ainda nem sei quais são as palavras para descrever tamanha qualidade em um livro. É tão difícil escrever resenhas nas quais o livro em que tratamos é incrível, parece que nada vai alcançar tamanha grandeza, mas juro que farei o possível.

Lucy e Mickey teriam todos os motivos para não ficarem juntos. Ela, uma batalhadora contra a ameaça do câncer em sua família; ele, uma pessoa diagnosticada com transtorno bipolar. Mesmo com todos os problemas que os aguardavam, os dois decidiram apostar nessa relação e confiar que o amor deles seria mais forte. A única condição que eles se propuseram, seria não ter filhos, pois não queria que o sofrimento passasse para seus descendentes. Porém, 11 anos depois de casados, Lucy descobre que está grávida. Apesar de todos os contras, o casal decide ter a criança e vão passar por diversas provações para mostrar que o amor supera tudo.

Minha única certeza era a de estar me apaixonando por um homem que, aos 11 anos, concluíra que era diferente do restante do mundo. Um homem que crescera com medo do modo como sua mente funcionava. Eu estava me apaixonando por um homem que se esforçava ao máximo para me fazer entender quanto ele se sentia imortal às vezes e quão expansivo, autoritário e egoísta também podia ser. Ocasionalmente isso me assustava, mas então Mickey me oferecia uma saída. p. 88
Imaginem uma pessoa arrasada, abraçada a um livro de madrugada, chorando como se não houvesse amanhã. Essa pessoa era eu assim que terminei Dançando sobre cacos de vidro. Há tempos não lia uma história que mexesse tanto comigo, pois ela veio e se tornou tão palpável que me inseri na situação de forma que não dá para explicar. Particularmente, não esperava que esse livro fosse ser tão único, afinal, há uma grande quantidade de sick-lits no mercado. Porém ele veio e me surpreendeu de todas as formas possíveis e o colocou entre os melhores livros de 2014.

A grande responsável por isso foi a narrativa muito fluída da autora Ka Hancock. Como a autora é uma enfermeira e esse é seu romance de estreia, fica claro que ela optou por trabalhar muito em cima dos detalhes das doenças que acometem os protagonistas e isso só fez com que seu livre ficasse impecável. A autora fez com que encarássemos o dia a dia conturbado de quem convive com doenças, porém esse não é seu único foco: também vemos as partes felizes, aquelas que impulsionam os personagens a seguirem em frente, mesmo com todas as dificuldades e é exatamente isso que faz com que a carga dramática do livro não fique tão pesada.

Essas experiências se tornam ainda mais reais com a narrativa em primeira pessoa. Como temos uma alternância entre a Lucy e o Mickey, conhecemos bem a fundo seus problemas e dilemas diários, tanto com o casamento quanto com as doenças que os afligem e é impossível não sentir na pele todos os desafios – impostos pelas adversidades, pelas pessoas ao redor e até por eles mesmos – que eles precisam encarar dia após dia para permanecerem unidos. São tantos os sentimentos que a autora consegue transmitir através das páginas que nos tornamos amigos íntimos dos protagonistas. Mas não podemos dar todos os créditos a eles: todos os personagens secundários também fizeram diferença.

Todo casamento é uma dança: complicada às vezes, maravilhosa em outras. Na maior parte do tempo não acontece nada de extraordinário. Com Mickey, porém, haverá momentos em que vocês dançarão sobre cacos de vidro. Haverá sofrimento. Nesse caso, ou você fugirá ou aguentará firme até o pior passar. p. 99
O grande diferencial de Dançando sobre cacos de vidro é a complexidade dele. Ka Hancock não se prende somente a retratar o cotidiano da doença, ela retrata perfeitamente o cotidiano das pessoas. É exatamente isso o que mais me prendeu: não dá para sintetizar o livro em somente algumas palavras: é preciso que o leitor desenvolva uma relação com ele, se abra para que as emoções possam fluir através dele.

A minha grande dica é: preparem os lencinhos. É impossível não se emocionar com a trajetória de Lucy e Mickey. Mesmo aqueles que não gostam tanto de um drama, se derem uma chance, vão mergulhar e se envolver nessa história, afinal, temos um grande testemunho de amor, fé, amizade e família. Ficamos com aquele pensamento de “e se tivesse acontecido comigo?”. Dançando sobre cacos de vidro é um livro poderoso, que mostra como grandes sentimentos e força de vontade podem superar até as mais altas barreiras. Altamente recomendado! 

14 comentários:

  1. também acho que o livro não tem tanto destaque como merecia. já tinha visto a capa dele sim, mas nunca tinha me interessado em ler. quando ganhei ele de aniversário e li a sinopse dele, comecei a ler logo em seguida e não quis mais largar.
    já emprestei ele para muita gente: minha mãe, minha tia, minha avó, minhas colegas de trabalho...
    o livro é bom demais, merece ser compartilhado!!!
    essa pessoa também era eu terminando o livro! hahahaha impossivel reagir de forma diferente né...
    realmente, é impossivel não se emocionar. são histórias assim que me fazem acreditar no verdadeiro amor. fiquei encantada com a forma que Lucy e Mickey superaram tudo e enfrentaram qualquer barreira para conseguir ficar junto, e posteriormente, conseguir cuidar da filha! *-*

    ResponderExcluir
  2. Eu gosto de dramas e esse parece ser ótimo. Mesmo com o tema meio batido de duas pessoas que se amam e não podem ficar juntas (no caso, por causa de doença), a história tem potencial. Tudo depende de como a autora resolveu abordar os conflitos. Pelo jeito, ela foi bem-sucedida, né?
    bjo

    ResponderExcluir
  3. Oii Luara!
    Já ouvi falar maravilhas desse livro e sendo apaixonada por drama como eu sou, assim que conseguir dinheiro vou compra-lo. Ótima resenha.
    http://www.vicioempaginas.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Luara!
    Menina, assim como você disse logo no início, a divulgação desse livro realmente foi pequena, porque eu já havia conhecido a capa dele, mas passou completamente despercebida por mim. Agora que pude parar ler a sinopse e sua resenha fiquei interessada. Adoro histórias que nos tocam e que acabam nos fazendo sofrer junto e chorar horrores. Também sou assim. =D

    Beijos
    Aline
    Memoirs and Books

    ResponderExcluir
  5. Olá, Luara!
    Entendo bem esse sentimento de "não consigo fazer uma resenha a altura do livro". Alguns se tornam tão especiais, não é?
    Fiquei bastante curiosa pra lê-lo.

    Beijos,
    Nina & Suas Letras

    ResponderExcluir
  6. Esta é a primeira resenha que leio deste livro e gostei muito, me deixou curiosa! O enredo é bem interessante, adoro livros que mexem com os sentimentos do leitor e este pareceu ser muito emocionante mesmo, acho que vou adicionar á minha lista. :)
    beijos ♥
    nuclear--story.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Ai, meu Deus. Acredita que estou lendo esse também? Já me sinto totalmente dentro da história e ainda estou no capítulo dez. Imaginei mesmo que haveria lágrimas ao final. Tô super ansiosa pra acabá-lo! *-* Adorei a resenha!

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Oi Luara

    Nunca ouvi falar desse livro. Gostei bastante do nome que já passa a impressão de estarmos entrando em assuntos delicados.
    Eu adoro sick-lits. Mesmo sabendo que eles vão me fazer ficar igual a você, chorando feito louca na madrugada.
    Esses livros são tocantes, trazem muitas lições de vida e às vezes são tudo que a gente precisa ler.

    Mais um pra minha listinha. :)

    Beijoo
    http://sem-spoiler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Laura
    OMG ' Como nunca ouvi falar desse livro?
    Parece ser maravilhoso.
    Mesmo eu não podendo comprar livros agora, vou colocar na lista. Me chamou muita atenção.
    Além dessa capa maravilhosa.

    enquantoestavalendo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Luaraaaaa!!! Minha amiga tinha comentado sobre esse livro, disse que cismou que queria ler e baixou o pdf, mas não falou sobre a história. Quando terminei de ler a sinopse, estava assim: =O Sem brincadeira, fiquei chocada só lendo a sinopse e imaginando como seria o desenrolar da trama. Quero muito! Vou ficar de olho, porque nem conhecia a capa.
    Beijinhos!
    Giulia - Prazer, me chamo Livro

    ResponderExcluir
  12. Ah, agora eu entendi o título desse livro! Realmente já o vi pelas livrarias e olhava esse título e nem dava bola. Erro meu! D: Com certeza é o tipo de história que eu iria amar, complexa, transformadora! E como ainda não tive nenhuma experiência ruim com os sick-lit, ele vai direto para a wishlist!
    Parabéns pela resenha, Luara. Ela está muito bem escrita e emocionante. E obrigada pela oportunidade de mudar o meu olhar em relação a esse livro que sempre passava despercebido por mim nas livrarias! Beijos!

    bibliophiliarium.com

    ResponderExcluir
  13. Sua resenha me deu uma vontade enooorme de ler esse livro! <3
    Já adicionei na minha lista "vou ler".
    Bjs

    annalelira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Realmente esse livro tinha passado desapercebido por mim, hahaha.
    Não imaginava que era tão intenso, fiquei curiosa para ler!
    beijos
    http://apenas-um-vicio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir