08/09/2014

Resenha: A Escolha

Título: A Escolha (A Seleção #3)
Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Páginas: 352
A Seleção mudou a vida de trinta e cinco meninas para sempre. E agora, chegou a hora de uma ser escolhida. America nunca sonhou que iria encontrar-se em qualquer lugar perto da coroa ou do coração do Príncipe Maxon. Mas à medida que a competição se aproxima de seu final e as ameaças de fora das paredes do palácio se tornam mais perigosas, América percebe o quanto ela tem a perder e quanto ela terá que lutar para o futuro que ela quer. Desde a primeira página da seleção, este best-seller #1 do New York Times capturou os corações dos leitores e os levou em uma viagem cativante ... Agora, em A Escolha, Kiera Cass oferece uma conclusão satisfatória e inesquecível, que vai manter os leitores suspirando sobre este eletrizante conto de fadas muito depois da última página é virada.


Fiquei mais de um ano esperando A Escolha. Quem me conhece sabe que eu me apaixonei por A Seleção e que eu li A Elite em horas, só pelo desespero de saber o que aconteceria a seguir. Desde então, fiquei órfã da série e só esperando que o 1 ano e 2 meses que esperei por esse livro passassem o mais rápido possível. Pois eis que chegou o momento, o tão aguardado livro finalmente chegou a minhas mãos. Vamos ser sinceros: para quem é fã da trilogia, não tinha como não ficar ansioso pelo último livro. A minha expectativa era enorme e eu não consegui controlar o turbilhão de sentimentos que nos atropela quando estamos prestes a terminar uma história que nos acompanhou por tanto tempo. Quando o meu exemplar chegou, fiquei alguns minutos só observando a capa linda e abraçando esse livro como se não houvesse amanhã, eis que começo a ler. Só o que eu não esperava era a decepção que eu ia ter logo nas primeiras páginas. Kiera Cass, o que você tinha na cabeça?

A seleção já durava meses, e agora finalmente podíamos enxergar os verdadeiros objetivos de cada uma na competição. Agora todas sabíamos qual era a relação das concorrentes com Maxon - pelo menos em parte-, e era possível compará-las. p. 31
Desde o primeiro livro, o grande diferencial da série para mim era a protagonista, America. Ela começa em A Seleção sendo uma protagonista forte, com opiniões formadas e que coloca a família acima de tudo. Como vocês bem sabem, essa quebra do padrão de mocinhas indefesas sempre me atraiu e vai continuar me atraindo enquanto estas aparecerem e mostrarem que estão ali para atingir algum objetivo. Pois bem, era esse tipo de relação que tinha com America. O segundo livro veio e abalou isso, afinal, é um livro em que ela se enche de dúvidas e irrita muitos leitores, mas ainda deu para superar. Porém, quando eu achava que não dava para piorar, veio A Escolha e arruinou qualquer tipo de esperança que eu tinha para ela.

O grande motivo é que Kiera Cass juntou todos os tipos de clichês e jogou em cima dela. Apesar de ainda ter a preocupação com a família e tudo mais, America se tornou indefesa, quase como se não pudesse ser tocada, tanto que em boa parte do livro a America ficou “de fora” da ação. Isso me irritou na maior parte do livro, afinal, parecia uma personagem completamente diferente daquela que eu conhecia e isso pesou bastante no enredo em geral por ser uma narrativa em primeira pessoa. Porém, ao mesmo tempo em que a America se tornou detestável, outros personagens ganharam destaque e me conquistaram de vez, como a rainha Amberly, que me encheu de amores em todo a história.

Falando sobre o enredo em si, tenho que admitir que não foi tudo aquilo que eu esperava. Por ser o último de uma trilogia, minha expectativa era de que não haveria tempo para respirar, afinal, havia muito a ser resolvido nesse último volume. Mas, o que eu recebi foi um livro que permaneceu morno na maior parte do tempo e que no final não resolveu nada relacionado à parte distópica da história. Essa foi a minha grande decepção e indignação com a trilogia em geral: como a autora coloca um problema desde o início da trilogia para no fim não resolver absolutamente nada? A minha primeira reação foi ver se meu livro não estava faltando páginas, porque não era possível!

- Você vale a pena. Acho que não tem noção disso. Para mim, você vale a pena. p. 95
Além disso, faltou um algo a mais na metade do livro para que o leitor continuasse empolgado. Para ser totalmente sincera, todo o clímax de A Escolha está nas últimas 30 páginas do livro e o ritmo é tão acelerado que por vezes tive que ler a mesma passagem duas vezes para que eu pudesse me localizar dentro de tudo que ela estava descrevendo. Por ser tão corrido, algumas coisas ficaram sem explicação. Porém tenho que admitir que Kiera Cass conseguiu me deixar muito aflita nessas últimas páginas, o que comprova mais uma vez o quanto a narrativa dela é fluida e cativante.

Mas, felizmente, depois de todo esse sofrimento que eu passei, eis que a Kiera Cass anunciou que vão sair mais dois livros na série! Vocês não sabem o quanto eu estou aliviada com essa notícia, afinal, meu mundo literalmente caiu quando uma das mais esperadas continuações não supriu nem metade das expectativas que eu tinha a respeito dela. The Heir sai em maio de 2015 e não vai ser narrado pela America e sim por algum outro personagem que ainda não teve o nome divulgado. Será que agora vai, Kiera? Fica minha expectativa para que o quarto e o quinto volume sejam incríveis! 

10 comentários:

  1. Concordo com você em tudo, comecei a ler A Seleção e amei, A elite foi mais ou menos, então li A Escolha com as expectativas lá em cima, achando que tudo ia se resolver, claro, mas de um jeito emocionante, mas no final, faltou alguma coisa. Nesse livro, parece que a America perdeu um pouco de sua personalidade em alguns capítulos.
    Beijos,
    Iza
    http://meninaforadeserie.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Estou com A Seleção em casa mas ainda não consegui ler, e estou muito ansiosa para ler, todo mundo fala tão bem, mas agora deu uma desanimada. A impressão que deu é que a Kiera não via a hora de acabar o livro, por isso fez de qualquer jeito. Bom, esperamos que os próximos sejam bons.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Que o quarto e o quinto livro superem o estrago de Kiera! Ela realmente parece que estava numa pressa pra acabar o livro, o clímax só surgiu mesmo nas últimas trinta páginas, e mutia coisa que aconteceu não teve nada a ver com nada. Realmente ficou algo vazio e oco, nada da parte distópica foi solucionado realmente, e o fim daquele e daqueles que eram vilões foi tipo "hãm?" mas é isso ai. America, ruivinha gata<3

    http://gabryelfellipeealgo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. este ultimo livro também foi uma grande decepção para mim. amei o primeiro, o segundo eu apenas gostei, mas este terceiro despedaçou meu coração. sabia já destas continuações, e confesso que já estou ansiosíssima por elas! *-*

    ResponderExcluir
  5. Oi Luara, tudo bom?
    Apesar de ter achado a narrativa mais corrida, ainda assim eu gostei bastante do terceiro livro da série Seleção. Para mim a Kiera nunca vendeu uma distopia e sim um romance. Portanto, não foi nenhuma surpresa ela não ter explorado a distopia nesse último livro. Eu mudaria algumas coisas, mas no geral a leitura me deixou alegre, triste e ansiosa (tudo ao mesmo tempo. Vamos aguardar as continuações, pois quero uma narradora menos chatinha que a América.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Luara, joia?

    Então, eu já li os dois primeiros volumes da série e confesso que fiquei bem decepcionada. Gosto muito de distopias, mas achei que ela ficou em segundo plano, sabe? Não me surpreendo que ela tenha continuado não explorando o gênero no "último" volume. Não que eu não goste de romances, mas... E outra, eu tenho birra da indecisão da América, nossa. Mas mesmo assim, vou dar mais uma chance.

    Beijos!
    http://www.roendolivros.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi Luara!
    Ainda não li A escolha, fiquei com medo de me decepcionar com uma trilogia que gostei tanto... e, pelo jeito, meus medos tem fundamento, né? Ainda bem que teremos mais dois livros, pra sanar as dúvidas que ficaram! chato ela não ter dado um rumo para a questão distópica, e de ter modificado tanto a America... gostava tanto dela em A Seleção! enfim, agora já vou começar a ler A escolha com um pouco menos de expectativas, pra não me decepcionar completamente...
    Bjus, ótima resenha!
    Paty Algayer - Loucuras da Paty

    ResponderExcluir
  8. O livro é o desfecho da série, mas eu confesso que terminei sabendo que não deixaria de ler algo sobre Maxon e América! Não preciso nem dizer que pulei de alegria quando fiquei sabendo das novidades sobre os contos novos e o lançamentos de mais 2 livros!

    Como grande fã estou mais do ansiosa, sua resenha só me deixou ainda com mais saudades!

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  9. Oi Luara,

    Pensa que eu estou louca pra ler a Escolha . O problema aqui é falta de verba, rsss.
    Ja li resenhas que fala de morte de personagem no ultimo livro e estou louca para saber quem é. Preciso saber como o Rei trata America nesse livro, alias, preciso saber tanta coisa.

    Ame saber que tem mais dois livros vindo ai. Os ccontos da Seleção vc ja leu ?

    ResponderExcluir
  10. Oi Luara, tudo bem?
    é muito, mas muito ruim, quando um livro que esperamos tanto, não supre nossas expectativas. Esse foi um deles. nas ultimas 30 paginas, quando tudo aconteceu tão corrido, eu fiquei: oi? Como assim? Já acabou?
    Espero que essas novas publicações nos mostre mais o lado distópico, pois faltou muito disso nesse ultimo volume, e de fato, a América não era a América do inicio da trilogia.
    Abraços,
    Amanda Almeida
    Você é o que lê

    ResponderExcluir