16/12/2014

Resenha: Infinity Ring #4 - A Maldição dos Ancestrais

Título: A Maldição dos Ancestrais (Infinity Ring #4)
Autor: Matt De La Peña
Editora: Seguinte
Páginas: 208
Quando Dak, Sera e Riq chegam ao próximo destino em sua jornada para consertar falhas históricas, são recebidos por uma tempestade. Eles estão na península de Yucatán, lar dos antigos maias, na época da chegada dos colonizadores espanhóis -ou pelo menos deveria ser assim. Sera tem certeza de que programou o Anel do Infinito corretamente, mas eles parecem estar séculos adiantados.

Enquanto tentam descobrir o que aconteceu, os três jovens desconfiam que talvez exista um motivo para estarem ali: bem naquele momento os anciãos da aldeia estão escrevendo um códice importantíssimo, que travaria o destino daquele povo para sempre. Na escola, Dak e Sera haviam aprendido que os maias eram uma civilização violenta e cruel, mas talvez a história e a cultura daquela sociedade tenham sido mal interpretadas...


Quem me conhece sabe que eu sou apaixonada pela série Infinity Ring. Por mais que eu ainda esteja tentando fugir de séries enormes (sempre começo a ler e nunca termino), não teve como fugir: me apaixonei assim que comecei a ler o primeiro livro da série e, a cada novo volume lançado pela Editora Seguinte, o amor aumenta. Não foi diferente com A Maldição dos Ancestrais. Com mais uma boa dose de amizade, aventura e muita ação, o quarto livro da saga de Dak, Sera e Riq foi o que mais me surpreendeu e me ganhou até agora.

Sera concordou com a cabeça, mas era difícil estabelecer um paralelo entre aqueles maias e os que ela conhecera nos livros. Itchik não se achava superior a ninguém, e Sera imaginava que todos os reis faziam isso. Ela ficou comovida ao vê-lo participar dos trabalhos de resgate. p. 57
Pela primeira vez na saga de Dak, Sera e Riq, não vamos parar no destino anunciado pelo último livro da série. Em O Alçapão, o Anel do Infinito está programado para ir para a China, no ano de 1562. Porém, quando eles chegam no lugar para o qual o Anel os mandou, descobrem que estão no século VII e no meio da civilização maia. Talvez tenha sido esse o grande motivo para que o livro tenha me encantado mais que os outros: tenho um grande interesse pela cultura maia e o autor Matt De La Peña não poupou informações para construí-los e caracterizá-los, o que tornou o livro até mais informativo do que os seus precedentes.

Além disso, o autor conseguiu pegar a atmosfera deixada por todos os livros anteriores – afinal, cada volume da série tem um autor diferente – e colocar seu próprio toque. Porém os protagonistas não me agradaram tanto quanto aconteceu nos três livros precedentes: por causa do que eles sofreram nas últimas aventuras, temos um Riq mais reflexivo acerca do que o futuro lhe reserva, enquanto Sera está preocupada com as consequências do Cataclismo para a sua família. Com Dak tendo um pouco menos de destaque nesse volume, o alívio cômico que esse personagem traz fica um pouco perdido. Mas, com isso, o autor consegue mostrar o crescimento de todos devido a tudo que eles estão passando no meio dessa aventura.

Mas o autor compensou tudo com a grande quantidade de ação que temos ao longo do livro. Para corrigir essa fratura, os três amigos terão que lutar muito e isso faz com que o ritmo da leitura seja muito acelerado – o que parece impossível, já que todos os livros têm aquela narrativa muito fluída característica da série. Sem contar que temos infinitas reviravoltas e personagens secundários fortes e muito mais marcantes do que os dos livros anteriores.

– Acredito que tudo o que existe vem da terra. Inclusive eu e você. Até a mais complexa invenção humana existiu em algum momento no nosso solo. Ninguém tenta fazer nada a partir do ar. Nós usamos os elementos já existentes, nascidos da terra, e os combinamos de outras formas. O progresso é uma simples questão de organização e criatividade. p. 79
A cada novo volume dessa série, eu me surpreendo com a capacidade que um novo autor tem de não deixar a peteca cair: em nenhum momento eu vi uma mudança drástica no enredo ou na caracterização dos personagens e isso faz com que o leitor praticamente não perceba que eles foram escritos por autores diferentes. A Maldição dos Ancestrais é o quarto volume da série Infinity Ring e além de ser extremamente divertido, está cheio de emoção e aventura. Série altamente recomendada! 


Série Infinity Ring
1- Um Motim no Tempo
2- Dividir e Conquistar
3- O Alçapão
4- A Maldição dos Ancestrais
5- Caverna das Maravilhas
6- Behind of Enemy Lines
7- The Iron Empire

8- Eternity

Um comentário:

  1. Eu amo séries! Mas sempre demoro muuito para terminá-las =((
    Não conhecia essa série! :OOO
    Adoro livros que traz informação a mais, e praticamente uma aula de história (bem mais interessante do que era na escola... hahaha).
    Fiquei bem curiosa por essa série!
    Beijos

    ResponderExcluir