30/12/2014

Resenha: O Que Restou De Mim, de Kat Zhang

Título: O Que Restou De Mim (As Crônicas Híbridas #1)
Autora: Kat Zhang
Editora: Galera Record
Páginas: 320
Addie e Eva são híbridas duas almas no mesmo corpo. Em sua realidade, todos nascem assim mas, ainda na infância, uma das almas torna-se dominante. Mas isso nunca acontecia com as duas. Considerados instáveis e perigosos, os híbridos foram perseguidos e eliminados das Américas. E quando o segredo delas é ameaçado, Eva e Addie descobrirão da pior forma que há muito mais sobre os híbridos do que os noticiários de TV e os livros de história contam.




Como eu adoro distopias! Esse é um dos únicos gêneros que continuam me surpreendo, por mais que eu já tenha lido vários livros e visto as mais diversas abordagens. O Que Restou de Mim foi uma das grandes surpresas de 2014, pois, apesar de ter visto poucas pessoas falando bem do livro, ele não ainda não ganhou grande destaque entre os lançamentos do ano. Foi por isso que minhas expectativas estavam bem baixas em relação a ele, o que pode ter contribuído para a excelente leitura que eu tive. Mas, ainda assim, considero que o livro conseguiu superar tudo o que prometia e fez com que As Crônicas Híbridas se tornasse uma das trilogias distópicas mais promissoras do mercado atual.

Addie e eu nascemos dentro do mesmo corpo, os dedos fatasmagóricos de nossas almas entrelaçados antes de inspirarmos pela primeira vez. Os primeiros anos que passamos juntas foram também os mais felizes. Depois vieram as preocupações, as rugas de tensão em torno da boca de nossos pais, os olhares de censura de nossos professores do jardim de  infância, a pergunta que todos sussurravam quando achavam que não estávamos escutando.
Por que elas não estão se definindo? p. 7
Originalidade. Eis a base que forma as melhores distopias que nós conhecemos, afinal, o que é diferente sempre vai chamar nossa atenção. Isso é o que não falta na obra da autora Kat Zhang: temos uma sociedade em que as pessoas nascem com duas almas habitando o mesmo corpo até que, até os 10 anos de idade, eles precisam se definir, ou seja, ver qual é a alma dominante e deixar que a recessiva se vá. Os que não os fazem são considerados híbridos e são perseguidos. Addie e Eva são híbridas, mas, para todos os fins, Addie é a dominante e a partir desse ponto que a história começa. Essa foi a primeira vez que vi esse tema ser abordado em algum livro e, mesmo que vocês já tenham lido algo do tipo, a abordagem que a autora faz do tema é que faz toda a diferença.

Narrado em primeira pessoa pela perspectiva de Eva, vemos todas as complicações de ter que dividir um corpo só com outra alma: você nunca está sozinho, mesmo quando quer estar, além de não tem o controle total pelo próprio corpo. A autora Kat Zhang nos mostra todo o aspecto emocional para as duas almas que dividem o corpo, desde o medo e a solidão por ter que deixar sua alma irmã ir embora, até mesmo o sofrimento da família causada pela imposição para que todos se definam e isso faz com que o leitor crie um vínculo de empatia com os personagens. Mostrar essa parte é o que mais me faz falta em distopias e, quando aparece, é a que mais me encanta (vide A Vida Como Ela Era). Zhang conseguiu trazer essa dramaticidade para o enredo de forma que não ficasse forçado e isso garantiu a sua fluidez.

É claro que também temos as partes essenciais de qualquer distopia: trama política, perseguição e muitos segredos acerca da purificação híbrida que ocorre nos Estados Unidos. Por ser o primeiro volume de uma trilogia e, portanto, ser o introdutor do que está por vir, O Que Restou de Mim não revela muita coisa, fazendo apenas suposições do que pode acontecer nos próximos volumes. Mas a autora trabalhou bem com as informações que inseriu no enredo: conseguiu manter o ritmo ao revelá-las, o fez com que houvesse um equilíbrio ideal para que o leitor não se cansasse ou ficasse perdido no meio do universo criado por Kat Zhang.

Às vezes me pergunto como teria sido. Se nunca tivéssemos nos definido.
Se nunca tivéssemos aprendido a odiar a nós mesmas. Nunca tivéssemos permitido que o mundo enfiasse uma divisão entre nós, forçando-nos a nos tornar Addie-ou-Eva, não Addie-e-Eva. Tínhamos nascido com os dedos de nossas almas entrelaçados. E se nunca os soltássemos? p. 201
O Que Restou de Mim tem tudo para se tornar uma trilogia de grande sucesso dentre os livros do gênero: é uma distopia cheia de coisas intrínsecas, com muita ação e, é claro, muito romance (daqueles que você fica na expectativa para que tudo dê certo). Com protagonistas que cativam por serem verossímeis, com medos e anseios, ele acabou me envolvendo de tal forma que o li em apenas um dia. Pensei que esse finalzinho de 2014 não iria trazer nenhum livro que me surpreendesse tanto, mas esse fechou o ano com chave de ouro e eu mal posso esperar pelos próximos volumes - e espero que a Galera Record os lance bem rápido (ainda mais porque todos já foram lançados nos EUA). Mais do que recomendado!

As Crônicas Híbridas
  1. O Que Restou de Mim
  2. Once We Were
  3. Echoes of Us

15 comentários:

  1. Oi Luara! Esse livro tá na minha wishlist faz um tempinho. É bastante original, e eu ando curtindo bastante essa mistura de distopia e fantasia que alguns livros YA vem fazendo. Bom saber que o livro é bom :)

    ResponderExcluir
  2. Não posso ler sobre distopias que já coloco na minha lista! Amo esse gênero! Adorei a premissa desse livro. Essa capa também me chamou bastante atenção.
    Feliz ano novo, Luara! Tudo de bom em 2015 e excelentes leituras!
    Beijos. :**

    ResponderExcluir
  3. Oi, Luara! Tudo bem? "O Que Restou De Mim" já está na minha lista de desejados e é bom saber que os outros volumes já foram lançados lá fora, não creio que vamos sofrer muito pela sequência! Li duas resenhas desse livro, a primeira não foi tão positiva, a segunda foi a sua e agora estou bem curiosa para saber qual será a minha opinião. Curto distopias e a ideia da autora, apesar de ter me lembrado um pouco "A Hospedeira", parece seguir um caminho bem diferente e mais empolgante também! E essa capa é sensacional! Bjs
    Jéssica - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Pelo que pude perceber, a partir de sua resenha, irei gostar da leitura deste livro! Parabéns pela resenha, beijos.

    http://dearsuckerblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Meu Deus, que capa é essa? Magnífica!
    O simples fato de saber que nesse livro as pessoas nascem com duas almas habitando o mesmo corpo já é o suficiente para eu lê-lo. Sério. Achei essa ideia fantástica.

    Beijos,
    Nina & Suas Letras

    ResponderExcluir
  6. Oi Luara, como vai?
    Quando vi esse livro pela primeira vez, ele logo chamou minha atenção pela capa: que coisa mais maravilhosa, toda trabalhada na semiótica! Outra coisa que me chamou a atenção - meio que negativamente - foi o fato de, pela sinopse, ser algo muito parecido com A Hospedeira, que é meu livro favorito - e sempre que leio algo parecido com algum livro que gosto, acabo odiando.
    Ainda bem que existem resenhas lindas como a sua, que pode esclarecer de uma vez por todas pra mim que não, não tem nada a ver com A Hospedeira. Por isso, nem preciso dizer que amei sua resenha e estou louquíssima pra ler esse livro, né? Hehe.

    Um abraço,
    http://winterbird.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi Luara ,com cé vai?
    Já Li este livro é maravilhoso ,Você Vai Adorar ,que dizer amar é mt bom o livro.

    ResponderExcluir
  8. Gente, que livro interessante.
    Realmente não teve destaque, nunca tinha ouvido falar dele =O
    Achei a premissa muito interessante e original. Tbm amo distopia e já coloquei esse nos desejados. Espero poder ler em breve.
    Bjo

    ResponderExcluir
  9. Oi, Lu!

    Adorei a premissa dessa trilogia e não vejo a hora de lê-la (espero que os próximos livros sejam lançados em breve)! A ideia é muito interessante, nunca li nada que tratasse de híbridos, então estou curiosa para saber como a autora inseriu isso na narrativa.
    Ótima resenha, me deixou ainda mais animada! :)

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Para ser sincera quando esse livro foi lançado não havia me chamado muita atenção por conta da capa do livro, mas então após ler sua resenha fiquei bastante surpresa por saber que é uma distopia e que contém um romance que eu simplesmente adoro. Enfim...Posso estar enganada, mas eu acho que poderia gostar bastante da história. Vou ver se compro ele assim que puder. Fiquei bastante curiosa quanto a história e achei que vc desenvolveu muito bem tudo em sua resenha. Meus parabéns linda =]

    Outra coisa, gostaria de te fazer um convite,
    Estou convidando alguns blogs que gosto muito de visitar e que admiro para ser meus parceiros de blogs e queria saber se vc aceitaria? Se quiser me dá um toque que te linko e também pode pegar o meu link-me se preferir =] Se cuida linda e parabéns

    lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Luara, que bacana! Mais uma trilogia distópica que promete! Gostei da proposta do livro... parece ter particularidades bem legais, o que contribui para chamar a atenção. Como você bem frisou. as distopias precisam de originalidade para vingar, senão não atrai tanto. Enfim... mesmo que bem introdutório, parece preparar bem o leitor, e isso é importante. Espero que a continuação faça valer suas expectativas.

    Abraços.
    http://universoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oie Laura!!
    Tem tempos que estou afim de ler esse livro, mas esqueci de comprar ele no Black Friday, por isso ele vai esperar, ainda mais quando o segundo livro nem foi lançado ainda aqui! Adorei sua resenha, na verdade ela foi a primeira que não pôs algum defeito nem que seja mínimo no livro e adorei saber que alguém realmente gostou de tudo!!

    Xo
    Re.View

    ResponderExcluir
  13. Oi Luara anda sumida! Ainda não li este livro mas leio resenhas positivas quanto a ele. Acho que este ano darei uma chance!

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  14. Olá, tudo bem?
    É a primeira vez que ouço (leio) sobre esse livro. Eu adoro distopias, mas confesso que já achava que era um tema batido, que não havia mais o que abordar. Mas, pelo visto, parece que ainda há o que falar, né. Achei o tema muito interessante e lembra levemente ao livro A Hospedeira da Stephenie Meyer.
    Super beijos <3
    http://livros-cores.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir