10/06/2015

Resenha: Fator Nerd 2 - Missão Improvável, de Andy Robb

Título: Fator Nerd 2 - Missão Improvável
Autor: Andy Robb
Editora: Galera Record
Páginas: 304
Sim, quando se é um nerd, a vida tem um ritmo todo próprio. Quando se é um nerd apaixonado, então... Archie ainda não esqueceu Sarah. A menina é seu preciossssso Um Anel. Atraído para ela como um Gollum repugnante, ele tem zero força de vontade. Como se não bastasse, é só chegar perto da linda gótica para que as pernas do garoto enfraqueçam, o coração acelere e o suor invada seu rosto. Mais ou menos a mesma reação ao berro de um Nazgûl. Um pavor insano invade o coração do mais corajoso dos homens. Tudo bem, pelo menos seu Monólogo Interior o repreende e tenta mantê-lo na linha. Claro que é uma batalha perdida. Mais ou menos como enfrentar o Hulk sem um Mjolnir. Ou o Duende Verde sem fluido de teia. Boa sorte com isso! Sem saber como se comportar perto de Sarah ele decide entrar na cabine de Dr. Who mais próxima e sumir. Afinal, um fim de semana de RPG, com direito a orelhas de elfo e espadas de espuma, se aproxima. Com a ajuda de Clare, uma menina com ideias muito próprias, Archie acredita ter encontrado a solução para conseguir conquistar a eterna amada Sarah: Cíumes. Afinal, no cinema isso sempre funciona. Mas essa pequena mentirinha cria uma série de mal-entendidos, nem sempre divertidos.



Se vocês soubessem há quanto tempo eu estava esperando esse livro, entenderiam o quanto eu estou empolgada para escrever esta resenha. Fator Nerd – Contatos Imediatos do 1º Amor (resenha) foi um dos meus livros favoritos em 2013 e desde então estava em uma pilha de nervos para que o segundo volume fosse lançado. Não que o primeiro pedisse por uma continuação, mas eu me identifiquei tanto com a história escrita por Andy Robb que eu sentia aquela necessidade de ter um pouco mais daqueles personagens que tanto gostei. E não é que foi ainda melhor do que eu esperava?

Acho que eu deveria explicar uma coisa: desenvolvi alguns mecanismos de defesa que me ajudam a enfrentar a rotina diária. O primeiro foi o Monólogo Exterior ou ME. Adoraria poder dizer que é uma fusão bem treinada de controle da linguagem corporal e camuflagem psicológica, que me permite manter meus pensamentos escondidos atrás de uma fachada fria de indiferença, mas ele não é tão confiável assim. p. 10
Fator Nerd 2 – Missão Improvável me trouxe de volta aquele conforto que eu sinto quando leio infanto-juvenis. Não sei quanto a vocês, mas esse é um dos meus gêneros favoritos, uma vez que os personagens costumam ter um pouco mais de imaginação e isso nos leva por situações muito inusitadas ao longo de qualquer enredo. Bom, é claro que não seria diferente nesse livro, ainda mais quando estamos falando de nerds de 14 anos tentando se ajustar em um mundo que não parece ser feito para eles. De alguma forma ou de outra, todos nos identificamos com alguma coisa pela qual eles passam e é nesse ponto que mora toda a magia do livro.

Narrado em primeira pessoa por Archie, seguimos o mesmo modelo do livro anterior: temos o conflito entre o MI (Monólogo Interior – que são as coisas que ele pensa e mantêm para si) e o ME (Monólogo Exterior – aquilo que ele faz para agradar aos outros e não provocar desconfianças sobre o que seu MI pensa). Quem não tem esse mesmo conflito todos os dias da vida? Ainda mais na situação em que ele está: tentando conquistar a garota de quem gosta. É justamente isso que faz com que a identificação entre o leitor e o personagem ocorra e que um vínculo seja criado, o que faz com que você acabe torcendo para que tudo dê certo para Archie e seus amigos. Sem contar que os diálogos internos chegam a ser cômicos e dão uma dinâmica toda especial para a história.

Mas, uma coisa genial e que eu não me canso de ver em qualquer livro que seja, são as referências à cultura nerd em geral. Em Fator Nerd 2, temos referências ao Batman, Senhor dos Anéis, Dungeons & Dragons e muito mais. Ou seja: para quem conhece, essas referências vão fazer a leitura muito mais rica e legal, até porque é muito animador quando reconhecemos alguma. Mas, mesmo que você não reconheça, fique tranquilo: o autor Andy Robb conduz o leitor por elas de modo com que façam sentido, ou seja, não dá para ficar perdido. Meu objetivo, assim foi no livro anterior, é relê-los e entender todas as referências. Será que consigo?

A outra arma em minha armadura de autoproteção é o Monólogo Interior ou MI, que funciona de forma completamente independente de qualquer coisa que meu ME esteja fazendo. É a voz que ninguém mais consegue ouvir, a voz que me mantém com os pés no chão, que narra meu dia, que me aplaude quando sou cool e me repreende quando sou um idiota. O que parece acontecer na maior parte do tempo. p. 10
A minha única dúvida ao fechar Fator Nerd 2 – Missão Improvável foi: quando vou ter tempo para reler esses dois livros fantásticos? É incrível como Andy Robb te abduz para dentro do enredo e não te solta enquanto você não chega à última página e, quando isso acontece, você percebe que quer muito mais. É impossível não mergulhar de cabeça nas aventuras de Archie, Beggsy, Ravi e Matt (e até das garotas, por que não?). Ficaria muito feliz se essa série tivesse mais um livro (ou dez), mas por enquanto nenhum outro volume foi lançado. Pelo menos vai dar tempo de reler (e reler, reler, reler...). Fica a dica desses incríveis, maravilhosos, ÉPICOS livros. Mais do que recomendados.

Um comentário: