12/08/2015

Resenha: Brilhantes, de Marcus Sakey

Título: Brilhantes (Brilhantes #1)
Autor: Marcus Sakey
Editora: Galera Record
Páginas: 476
A partir de 1980, um por cento das crianças começou a apresentar sinais de inteligência avançada. Essa parcela da população, chamada de “brilhantes”, é vista com muita desconfiança pelo restante da humanidade, que teme a forma como esse dom será usado. Nick Cooper é um deles, um agente brilhante, treinado para identificar e capturar terroristas superdotados e levá-los para a custódia do governo. Seu último alvo está entre os mais perigosos que já enfrentou, um líder responsável pelo maior ataque terrorista dos últimos tempos e que pretende começar uma guerra civil. Mas para capturá-lo, Cooper precisa se infiltrar em seu mundo e ir contra a tudo o que acredita. Denominado pelo Chicago Sun-Times como o mestre do suspense moderno, Markus Sakey criou um universo ao mesmo tempo perturbador e incrivelmente semelhante ao nosso, onde um dom pode se tornar uma maldição. 



Tenho que admitir que fui fisgada totalmente pela sinopse desse livro. Sou completamente apaixonada por ação e ficção científica, então quando surge alguma oportunidade de ler um livro do gênero, sou uma das primeiras a querer ler, principalmente se a sinopse dá sinais de que ele vai ter alguma faísca de originalidade (afinal, existem muitos livros do gênero no mercado). Brilhantes surgiu exatamente com essa premissa: de ser um livro com muita ação e suspense, daqueles que tiram o seu fôlego até a última página. Apesar de não ter sido tudo que eu esperava, o livro cumpriu o que prometeu e deixou aquele gostinho de quero mais.

A humanidade normal percebeu que algo de ruim ia acontecer. O que antes fora uma curiosidade agora er auma ameaça. Não importava como fossem chamados - brilhantes, superdotados, anormais, esquisitos -, eles mudaram tudo.
A grande verdade é que as primeiras páginas de Brilhantes não me convenceram. Logo de cara me vi perdida no meio da quantidade enorme de informações e isso atrapalhou muito meu rendimento com a leitura, uma vez que isso fez com que o livro se tornasse maçante e difícil de acompanhar. Tenho que admitir que por vezes senti vontade de abandoná-lo. Mas, como eu tinha visto muitas resenhas positivas a respeito desse livro, resolvi insistir para ver se ele conseguia me conquistar e foi a decisão certa a ser tomada. Passadas as primeiras cem páginas torturantes, finalmente consegui pegar o ritmo do livro e me envolver com a história.

Um dos grandes motivos para isso ter acontecido foi a grande quantidade de ação que permeia todas as páginas do enredo. O autor Marcus Sakey nos envolve em uma grande trama de conspiração e terrorismo (ou seja, coisas que vemos em nossa sociedade) e isso gera um suspense incrível, sem contar que temos um toque de X-Men que deixa tudo sensacional. Com isso você acaba criando uma grande expectativa ao longo das páginas e precisa saber a qualquer custo o que vai acontecer em seguida. Como artifício para prender o leitor, o livro é dividido em três partes, e, como geralmente vemos em outros livros com esse arranjo, podem ser vistas como introdução, desenvolvimento e clímax. Ou seja, o ritmo da narrativa é crescente e em nenhum momento o autor deixa esse ritmo diminuir. O enredo vai ficando cada vez mais envolvente e somos surpreendidos com diversas reviravoltas.

A narrativa em terceira pessoa também não deixa desejar. O nosso protagonista, Nick Cooper, é muito bem desenvolvido, mas tenho que confessar que ele demorou um pouquinho para me conquistar, porque ele é um pouco arrogante e não tem carisma nenhum. Mas, ao acompanhar a história e ver como ele foi até ao extremo para conseguir o que precisava, ele aos poucos me envolveu e eu consegui sentir sua motivação e força. Quando vi já estava totalmente apegada à forma dele de analisar as pessoas e a situação como um todo. Marcus Sukey também conseguiu trabalhar muito bem com os personagens secundários e tenho que destacas Shannon, que é exatamente uma dessas garotas que me conquistam de cara por causa da personalidade forte. Isso deu um brilho a mais no enredo.

As pessoas não querem a verdade, realmente. Querem vidas seguras, aparelhos eletrônicos bacanas e geladeiras cheias.
Brilhantes é um livro que exige um pouco de esforço. O começo é maçante e o excesso de informações pode fazer com que você perca o entusiasmo. Mas, com um pouquinho de dedicação, você vai ser presentado com um livro com uma história muito interessante, que vai te tirar o fôlego por ser cheio de ação e suspense. É o primeiro livro da trilogia Brilhantes, mas, se você está fugindo de séries, fique tranquilo: esse livro tem começo, meio e fim definidos, ou seja, você não fica naquela obrigação de ler o próximo volume para entender a história desse. E, vão por mim: se vocês procuram algum livro bem movimentado e com muitas reviravoltas, com certeza Brilhantes vai te agradar. 

3 comentários:

  1. Já tinha visto esse livro em alguns canais no Youtube, mas não sabia do que exatamente se tratava. Sinceramente não me interessei muito, odeio quando fico confusa com tanta informação e/ou ação contida em poucas páginas. E sendo uma série, mesmo com o primeiro volume tendo começo/meio/fim, eu me sentiria mal por não continuar à ler *sou dessas* haha' Enfim, fica a dica pra quem gosta do gênero.

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá! Não conhecia o livro, eu gostei da premissa.
    Que bom que tem começo, meio e fim... às vezes o que me irrita nas séries é a ausência disso. Aí os outros demoram a sair e acaba até perdendo a graça.

    Beijos

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir
  3. Já vi esse livro em alguma livraria, mas sabe quando passa batido? Agora, nesse exato momento, estou adicionando nos meus desejados do skoob, pra você ter uma noção do efeito da sua resenha. Só a sinopse já tinha me deixado com vontade, mas seus elogios me convenceram de vez.

    Beijinhos. Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir